SAP vai pra nuvem da MS. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Microsoft e SAP anunciaram o lançamento de novas ofertas em conjunto, passando a fornecer novos aplicações para nuvem, big data e mobilidade.

O anúncio englobou o lançamento de certificações para softwares de missão crítica SAP em ambiente MS Azure, conectividade entre a ferramenta de business intelligence SAP BusinessObjects e a plataforma Microsoft Power BI, e desenvolvimento e suporte de aplicações SAP para Windows e Windows Phone 8.1.

Com o anúncio das certificações para Azure, o objetivo das duas empresas é que, a partir do segundo semestre, SAP Business All-In-One, SAP Mobile Platform, SAP Adaptive Server Enterprise e a edição de desenvolvimento do SAP HANA rodem na nuvem Microsoft.

A Oracle e a Infor já tomaram a iniciativa de certificar o seu software para a plataforma Azure.

Além disso, segundo destacam as duas empresas, clientes poderão provisionar soluções SAP pré-configuradas no ambiente Azure em questão de minutos, usando a ferramenta SAP Cloud Appliance Library.

"Novos e atuais clientes SAP poderão se beneficiar do modelo 'pague ao usar' no Azure para reduzir custos de infraestrutura", destacou a companhia alemã em comunicado à imprensa.

Também prevista para o segundo semestre, a ampliação de conectividade entre as soluções de BI das duas companhias deve sair com a nova versão do SAP Gateway para Microsoft.

“A SAP está a tentar demonstrar a sua credibilidade em cloud computing com uma parceria da Microsoft, e esta procura mostrar a credibilidade da plataforma como sendo empresarial“, considera o analista Ray Wang, presidente e fundador da Constellation Research.

Conforme destaca o site TechCrunch, a parceria chega em um momento de turbulência na estratégia de cloud e mobile da SAP, após a saída do executivo Vishal Sikka no início de maio e indício de possíveis cortes em funcionários para uma reestruturação de negócios com foco em cloud.

Do lado da Microsoft, a parceria se alinha com a bandeira levantada pelo ex-CEO Steve Ballmer no ano passado e reforçada pelo atual presidente Satya Nadella, que quer estabelecer a dona do Windows como uma companhia de serviçoes e plataformas.