Nem tudo foi ruim. Foto: Pexels.

O coronavírus foi bom, pelo menos para as perspectivas de carreira dos CIOs, que tiveram uma oportunidade de se aproximar do comando das empresas nas quais trabalham.

É o que aponta um estudo do Gartner, no qual 75% dos entrevistados disseram que educaram seus CEOs e outros líderes seniores durante a crise, enquanto dois terços disseram que ganharam conhecimento das operações de negócios. 

A origem da aproximação foi a necessidade de por de pé operações de home office em grande escala de uma hora para outra.

Dos pesquisados pelo Garner, 67% disseram que assumiram a liderança de iniciativas de alto impacto durante o processo de trabalho neste período. 70% dos CIOs listaram o suporte para o home office como sua realização de maior orgulho na resposta à crise. 

“Muitos diretores e especialistas agora têm uma nova oportunidade de se sentar à mesa, enquanto os executivos de negócios decidem a estratégia empresarial e quais linhas devem ser ampliadas e quais precisam ser reduzidas”, afirma Andy Rowsell-Jones, vice-presidente de Pesquisa do Gartner.

Convém não deitar muito em berço esplêndido. Os dias heróicos de implementação do home office já são passado, e as empresas estão preparando o amanhã: de acordo com o levantamento, 43% dos diretores e líderes de TI afirmam que o planejamento para a estratégia pós-Covid-19 de suas empresas já começou.

“A boa vontade com o CEO desaparecerá rapidamente, a menos que os especialistas de TI possam estendê-la, ajudando a empresa a entregar outras iniciativas de alto impacto necessárias durante a recuperação”, alerta Jones.