Programa de fidelidade da Gol agora está na nuvem. Foto: Pixabay.

A Smiles, empresa do programa de fidelidade da Gol e mais 17 companhias parceiras, concluiu no final do ano passado a migração da sua infraestrutura on premise para a nuvem da Oracle.

O projeto foi entregue em 10 meses e incluiu o principal sistema de gestão do programa de fidelidade e das contas de seus clientes para a Oracle Cloud Infrastructure.

Os principais objetivos da mudança foram a atualização de versão da aplicação Siebel Loyalty, da versão 13 com a antiga interface “High Interactive” para a nova versão “Open UI” de 2018.

O projeto contou com um time especializado composto por 95 pessoas entre profissionais Smiles e Oracle em mais de 10 mil horas de trabalho, resolução de mais de 2.000 conflitos de códigos e quase 3 mil cenários de testes executados manualmente, além dos testes automatizados por robôs. 

“A migração para a nuvem nos fez subir muitos patamares em qualidade, segurança e agilidade”, afirma Luiz Borrego, diretor de TI e Operações da Smiles.

Além da GOL, a ​Smiles tem parceria aérea com a Delta Air Lines, Air France, KLM, Qatar Airways, Aerolíneas Argentinas, Etihad Airways, TAP, Alitalia, Copa Airlines, Korean Air, Air Canada, Aeroméxico, Emirates, Royal Air Maroc, Ethiopian Airlines, South African Airways, além da companhia brasileira regional Passaredo, que juntas voam para mais de 900 destinos. 

Aumentar a penetração da sua oferta de nuvem é uma das prioridades estratégicas da Oracle, que está muito atrás nesse mercado da líder AWS e mesmo do pelotão do meio, com Azure e Google.

Fazer uma virada do modelo de negócios da Oracle, transformando ela de uma vendedora de hardware em uma  líder em serviços de cloud e plataforma, não é uma missão fácil.

No ano passado, Thomas Kurian, presidente de desenvolvimento de produto da Oracle e uma das figuras mais influentes no plano, pediu as contas e foi para o Google.

De acordo com a Bloomberg, Kurian queria tornar mais softwares da Oracle compatíveis para rodar em nuvens públicas de concorrentes como AWS e Microsoft, num caso clássico de “se não pode vencê-los, una-se a eles”, uma vez que as duas empresas são as líderes isoladas nesse mercado.

Em maio de 2018, o Gartner reduziu pela metade o número de empresas analisadas no seu Quadrante Mágico para Infraestrutura como Serviço (IaaS). 

Entre as empresas que permanecem na análise, AWS e Microsoft estão disparadas na frente na área de líderes, seguidas de longe pelo Google. Alibaba Cloud, Oracle e IBM aparecem na categoria players de nicho.

O setor é liderado pela AWS, com 44,2% do mercado. A lista segue com Microsoft (7,1%), Alibaba (3%) e Google (2,3%).