TENDÊNCIA

Blue: mais uma edtech no modelo ISA

20/04/2021 10:57

Traduzindo: faça um curso de programação e pague quando estiver empregado.

Daniela Lopes fundou a RED, e agora, a Blue. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Começou a funcionar a Blue, uma nova startup de educação focada no ensino de programação dentro do modelo conhecido como Income Share Agreement, ou ISA, no qual o aluno paga depois de conseguir um emprego.

A primeira turma iniciou o curso em 1 de março, com 50 alunos, e tem duração prevista de 12 meses, com quatro horas diárias. O valor estimado do curso é de R$ 18 mil.

Os planos são ambiciosos: inserir 150 profissionais no mercado de trabalho até o fim do ano e 12 mil até 2026, com a projeção de faturar R$ 50 milhões e alcançar valor de mercado de R$ 400 milhões em cinco anos, tornando-se líder nesse setor com foco na população de baixa renda.

“Conectamos alunos às oportunidades de trabalho de empresas em crescimento acelerado, e programamos nossa grade para que, após um semestre, mês seja possível ingressar efetivamente em um desafio no mercado corporativo”, explica Daniela Lopes, fundadora e CEO da empresa.

Lopes é da área de RH. Além da Blue, ela também fundou há 10 anos a RED, uma consultoria boutique focada no recrutamento de executivos (parece que Lopes tem um sistema para colocar nomes nas suas empresas).

Pelo lado técnico de educação, a empresa tem no time como coordenadora pedagógica Graziele Cestarolli Ortega.

Ortega exercia uma função similar na Happy Code, uma das maiores redes de escolas do país no segmento de programação e robótica, voltada para crianças e adolescentes. A profissional passou ainda pela FTD Educação, Veduca Tech e Positivo Informática, sempre em cargos relacionados com a área de educação.

A iniciativa atraiu alguns investidores de peso, que estão no seu conselho, incluindo Paulo Miri, ex-CEO da Whirlpool no Brasil; Alexandre Brito, ex-head de desenvolvimento de mercado na Mastercard, hoje à frente da Hub Fintech; Bruno Raposo, general manager na Loft, ex-Glovo e Peixe Urbano.

De acordo com os dados da Brasscom, a principal entidade de TI do país, a perspectiva é de que, até 2024, o setor demande 420 mil novos profissionais. O problema, conhecido faz horas, é que faltam candidatos com a formação suficiente.

O ISA é uma forma de atrair potenciais profissionais. Pelo sistema, o aluno faz a formação e começa a pagar por ela numa percentagem fixa por mês quando consegue um emprego pagando acima de uma determinada faixa (no caso da Blue, 15% com um salário mínimo de R$ 3500).

É um sistema parecido com o FIES (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior), mas, sendo o setor de tecnologia como ele é, o termo que pegou foi ISA.

Já existem alguns players neste segmento, alguns inclusive levantando capital. 

Em março de 2020, a brasileira Trybe, fundada seis meses antes, levantou nada menos que R$ 42 milhões.

No começo deste ano, a Awari, outra edtech que atua no modelo de ISA, captou R$ 2 milhões junto a investidores anjo.

O mercado brasileiro também tem atraído players internacionais nesse modelo, como a rede de escolas de programação francesa Le Wagon.

Veja também

EDUCAÇÃO
FIA utiliza Alexa na pós-graduação e MBA on-line

Até o final de abril, a Uol EdTech está oferecendo o dispositivo Amazon Echo Dot a novos estudantes.

TRABALHISTA
Cade investiga formação de cartel entre RHs

Empresas teriam trocado informações sensíveis, como remunerações e reajustes salariais.

AQUISIÇÃO
UOL EdTech compra Passei Direto

Transação acontece após a companhia receber investimento do SoftBank Latin America.

CASH
Awari levanta R$ 2 milhões

Edtech atua no modelo ISA, uma fórmula em alta para formação em tecnologia.

EDUCAÇÃO
Descomplica levanta R$ 450 milhões

É a maior rodada de investimento já feita em uma EdTech na América Latina.

FORMAÇÃO
Soul Code: novo player em EdTech

Startup tem um time respeitável de apoiadores no setor corporativo de TI.

ECOSSISTEMA
Livia Brando, ex-EDP, assume Wayra

Executiva responsável por criar a operação de inovação da EDP assume uma das aceleradoras mais importantes do Brasil. 

CONTRATAÇÃO
HeroSpark tem novo CTO

Com cerca de 14 anos de experiência, Sérgio Furlaneto vem da startup MadeiraMadeira.