Projeto foi entregue em oito meses. Foto: Divulgação.

A Itaúsa, holding que controla o banco Itaú e outras empresas como Alpargatas, Duratex, Copagaz e NTS, fez o upgrade do seu sistema para o S/4 Hana, última geração do software de gestão da SAP.

Batizado de Soma 2.0, o projeto de implementação visava a automação de informações financeiras com adoção do SAP Business Planning and Consolidation (SAP BPC), e fiscais e contábeis com SAP Tax Declaration Framework e SAP Disclosure Management. 

Foram feitas poucas customizações. A implementação usou 97% do ambiente S/4 Hana standard, 100% com as diretrizes de design e experiência do usuário do SAP Fiori.

Em nota, a SAP frisa que o projeto é uma “referência brasileira na adoção da solução completa de classe mundial da SAP”. O texto não chega a mencionar o envolvimento de parceiros.

“O principal objetivo do projeto Soma 2.0 era o de garantir que o processo de transformação digital em curso pudesse ser simples e absorvido pela operação sem grandes problemas ao mesmo tempo que avançávamos em nossos objetivos de negócios”, afirma Priscila Grecco, diretora administrativo e financeiro da Itaúsa.

Com duração de oito meses e go-live na virada do ano fiscal para 2021 em janeiro, os trabalhos foram conduzidos de forma totalmente remota. No total, foram mais de 1,8 mil horas de treinamentos para os 80 colaboradores da holding e estão planejadas mais 1 mil horas ao longo de 2021.

Do ponto de vista de planejamento, a holding incluiu todo o processo orçamentário dentro do ERP integrado com a gestão de caixa, facilitando a geração de relatórios automáticos. 

Além da automatização de diversos processos que estavam apoiados em planilhas eletrônicas, a iniciativa promoveu a integração entre as áreas de controladoria, contas a pagar e compras e passou a permitir o rateio de despesas entre áreas de forma automática.