Cubo se tornou um dos espaços mais disputados do país. Foto: Divulgação.

O Cubo fechou um acordo com a Kroton, uma das maiores empresas de educação superior do país, para assumir a vertical de educação da aceleradora de empresas, ligada ao Itaú e à Redpoint Ventures.

A Kroton será a responsável por um andar voltado à educação no prédio do Cubo Itaú, a ser inaugurado no início do segundo semestre, dedicado ao fomento de edtechs. 

O espaço contará com lounges de aprendizagem, estúdios audiovisuais e salas de aula preparadas para analisar novos formatos e metodologias. 

"A Kroton quer ser a empresa de educação mais digital do mundo; por isso, tem investido em processos de transformação digital que envolvem tanto a experiência dos alunos quanto uma profunda mudança em sua estrutura organizacional", afirma Carlos Safini, vice-presidente de Tecnologia e Transformação Digital da Kroton.

Felipe Amaral de Mattos, diretor de Inovação e Analytics da Kroton, será um dos principais responsáveis pela condução do projeto Cubo Education. Antes de fazer parte da companhia, criou a startup de adaptive learning, Studiare, adquirida em outubro de 2015 pela Kroton. 

Com a novidade, a Kroton passa a ser outro grande nome a se associar ao Cubo, entrando numa lista que já tem Saint-Gobain, Rede, Mastercard, TIM, Accenture e Cisco, entre outros.

O Cubo foi lançado há cerca de dois anos e meio tem hoje um escritório na Vila Olímpia. 

Em agosto do ano passado, o Cubo anunciou que estava trocando de sede para ampliar seu espaço em 4 vezes, chegando a 20 mil metros quadrados em um prédio que deve ficar pronto até o final do primeiro semestre.

A sede atual tem capacidade para abrigar 50 startups e 250 residentes. O local recebe 600 pessoas por dia. O novo endereço poderá abrigar 210 startups, 1.250 residentes e conseguirá receber mais de 2 mil pessoas diariamente.

Nos dois anos de Cubo, as startups receberam mais de R$ 100 milhões em investimentos e o número de empresas iniciantes interessadas passou de 850, de acordo com a Istoé.