Bruno Ramos espera melhoras no celular até o final do ano. Foto: divulgação/Anatel

Depois da pressão dessa semana, a Anatel declara que prevê melhora nas redes das operadoras de celular no Brasil em até seis seis meses.

A avaliação é do superintendente de Serviços Privados da Anatel, Bruno Ramos, que reuniu-se com representantes das operadoras na tarde dessa sexta-feira, 20.

O prazo conta a partir da apresentação dos planos de ação das operadoras.

“Os reflexos de melhoria na qualidade da rede devem aparecer no prazo de seis meses”, afirmou Ramos, após reunião com representantes da Oi.

Segundo o diretor, a cada seis meses, a Anatel fará a análise de desempenho das operadoras a partir do cumprimento das ações propostas para os próximos dois anos.

Os planos de melhoria na qualidade dos serviços móveis (voz e internet) já começaram a ser a apresentados. Na avaliação de Ramos, porém, os documentos entregues não passavam de esboços, não sendo, de fato, planos concretos.

FORCINHA DA CAUTELAR
Esses planejamentos estão previstos na medida cautelar da Anatel que proíbe, a partir de segunda-feira, 23, a venda de novos planos de serviços pela TIM, Oi e Claro.

Vivo, Sercomtel e CTBC também deverão apresentar um plano de melhoria na qualidade do serviço, apesar de não estarem incluídas na proibição.

O QUE DIZEM AS TELES
Em sua reunião com a Anatel, a Claro disse que não vai alterar os planos de investimentos para 2012 no país, que preveem R$ 3,5 bilhões.

Já a Oi informou que criou uma equipe com o fim de elaborar o plano de expansão e melhoria de seu serviço de telefonia móvel. A operadora promete intensificar já neste ano os investimentos, subindo em R$ 1 bilhão sobre o montante gasto em 2011, para R$ 6 bilhões.

Até 2015, a Oi reitera que pretende investir R$ 24 bilhões.

A TIM, que manteve uma reunião “pesada” com a Anatel, na avaliação de Bruno Ramos, vai entrar na justiça para manter suas lojas abertas nos 18 estados e no Distrito Federal.

A Vivo – que não foi punida pela Anatel por não ter apresentado um desempenho ruim nos indicadores da agência – não se manifestou sobre o assunto.

SOBRA ATÉ PARA O FIXO
Enquanto isso, a Anatel segue despertando e intimando as teles.

Num despacho na tarde dessa sexta-feira, 20, a agência determinou que a Telefônica adote providências para diminuir em 40% o número de interrupções do serviço no estado de São Paulo, em comparação à quantidade de falhas identificadas nos últimos doze meses.

Segundo o documento, a medida foi adotada em virtude do aumento da quantidade de interrupções ocorridas nos últimos anos e tem validade até 31 de julho de 2013.

A empresa terá cinco meses para a regularização dos serviços e também terá de ressarcir os créditos aos usuários afetados pelas interrupções, independentemente de solicitação e da quantidade de assinantes atingidos.

BOM PARA A INDÚSTRIA
A corrida das teles por redes melhores deve beneficiar os fabricantes de equipamentos de telecomunicações, prevê a Abinee.

Humberto Barbato, presidente da Abinee, declarou ao jornal Valor Econômico que espera um segundo semestre positivo para o setor.

“Faltou investimento em infraestrutura e estamos vendo os reflexos agora”, disse.

Para Barbaro, exigir qualidade é exigir investimentos. As encomendas de novos equipamentos de telecom deverão ser sentidas a partir de agosto, prevê o dirigente.

Na comparação entre o primeiro trimestre de 2012 e o do ano anterior, o faturamento dos equipamentos de telecomunicações tiveram um aumento de 30%, segundo dados da Associação. Para 2012, a projeção de faturamento do setor é de R$ 23,5 bilhões – alta de 18% sobre 2011.