Brecha na plataforma Tim Negocia pode ter exposto dados de clientes. Foto: Pexels.

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), instaurou processo administrativo para apurar uma aparente irregularidade cometida pela operadora de telefonia Tim. A acusação envolve supostos vazamentos de dados e valores de dívidas dos consumidores por meio do serviço TIM Negocia.

Segundo o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), há indícios de ofensa aos princípios da vulnerabilidade, transparência, confiança, educação, informação, harmonização de interesse e da boa-fé, além dos direitos de liberdade de escolha, informação adequada, proteção contra práticas abusivas e efetiva prevenção e reparação de danos. 

A possível situação pode ter acontecido a partir de brecha na plataforma Tim Negocia, que permite a cibercriminosos acompanharem dados pessoais.

O DPDC explica que teve conhecimento por meio da mídia sobre um suposto vazamento de dados sensíveis. De acordo com a notícia que embasou a instauração, não se sabe por quanto tempo os hackers tiveram acesso ao sistema e nem a quantidade de dados de clientes eles conseguiram visualizar.

Em resposta, a operadora afirmou que a plataforma Tim Negocia permite que consumidores consultem e quitem eventuais pendências financeiras. Com conhecimento da possível brecha, a empresa retirou a plataforma e o site do ar por prevenção.

Após a instauração dos processos, a empresa será intimada para se manifestar na sede de Defesa Administrativa e requerer a produção de provas. A empresa poderá ser multada em aproximadamente R$ 10 milhões caso os indícios sejam confirmados.