Site tem listas de escolas do Rio de Janeiro, de Niterói e de São Gonçalo. Foto: Julia Moraes/FIESP.

Tamanho da fonte: -A+A

Carlos Eduardo Lima, economista e dono da corretora de seguros Vetorial, pretende faturar R$ 5 milhões no primeiro ano de venda de materiais escolares pela internet. Ele investiu R$ 500 mil para a criação do Itspaper.

Disponível inicialmente no Rio de Janeiro, o e-commerce tem cerca de 4,8 mil produtos no seu portfólio entre livros, cadernos, mochilas, canetas, etc.

O diferencial do portal está nos convênios com as escolas da Capital, de Niterói e de São Gonçalo para o fornecimento das listas completas para o ano letivo.

Dessa forma, é preciso selecionar qual a instituição e a série e os produtos são escolhidos pelo menor preço por default.

Depois é possível fazer alterações, trocando um caderno simples por um de personagens, por exemplo.

Com uma ferramenta própria, o e-commerce pesquisa os preços em sites concorrentes, o que auxilia, de acordo com o presidente, a atingir o menor preço.

“A proposta é que os pais não precisem enfrentar trânsito e filas para comprar os materiais. No portal, podem ser comprados todos os produtos da lista e eles são entregues em casa”, destaca o presidente da empresa.

O pagamento pode ser parcelado, o frete é feito em sete dias úteis e é gratuito a partir de R$ 150.

Os pais podem solicitar o encapamento de livros e cadernos, por um custo adicional. Lima estima que até o final de novembro todas as listas estarão disponíveis.

Esse é o plano-piloto que inicia na cidade da sede da empresa. O Rio de Janeiro tem cerca de 1,8 mil escolas particulares, segundo Lima.

Para vencer as vendas sazonais para os alunos, concentradas no começo do ano, o portal também fornece materiais extras escolares e de escritório para as instituições durante o ano todo.

A previsão é que no próximo ano letivo, o serviço esteja disponível para as capitais das regiões Sul e Sudeste.

Dados do Inep de 2011 indicavam que 12,6 milhões dos brasileiros estavam matriculados em escolas particulares, desde a creche até a pós-graduação, 6,65% de toda população do país, enquanto o setor público participava com 22,62%.

Segundo o Ibope, as famílias investiram R$ 43,6 bilhões em 2011 com mensalidade de escolas e universidades.