CPqD atinge ultra velocidade em rede óptica. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Um teste experimental realizado pelo laboratório de comunicações ópticas do CPqD transmitiu dados entre Campinas e São Paulo (ida e volta, num total de 330 quilômetros) em uma velocidade de 2 Terabits por segundo (Tbps) em um único canal.

Foi a primeira transmissão do país a alcançar essa velocidade em campo, usando uma rede experimental já implantada pelo CPqD, a Rede Giga.

Além disso, o resultado obtido foi possível graças ao uso da tecnologia de transmissão Supercanal (SuperChannel), na qual o laboratório do CPqD vem trabalhando desde 2011.

Com a tecnologia Supercanal, é possível ter várias portadoras (feixes de luz) em um único canal, o que amplia sua capacidade de transportar informações e a eficiência espectral.

Na experiência realizada pelo CPqD, para chegar a 2 Tb/s, foram geradas 45 portadoras em um canal, cada uma delas transportando 50 Gb/s.

"Trata-se de uma capacidade, por canal, 20 vezes maior do que os sistemas de 100 Gb/s atualmente disponíveis”, afirma Julio César Rodrigues de Oliveira, gerente de Sistemas Ópticos do CPqD.

Para dar um exemplo do que a velocidade significa, ele diz que essa velocidade permitiria transmitir dez filmes completos em alta definição (ou Blu-ray) por segundo.

“Agora fizemos mais um avanço, que mostra que estamos alinhados com o estado da arte mundial na área de comunicações ópticas”, enfatiza Oliveira.

Na última semana a Ericsson e a fabricante de cabos ópticos Telstra conduziu na Austrália testes com ultra velocidade em cabos ópticos, atingindo velocidades de 1Tbps.

O teste foi realizado em 995 km de fibra da Telstra, em um link entre Sydney e Melbourne e mostrou que é possível a implantação da tecnologia de ultra velocidade em ambiente de rede real.

Segundo pesquisadores da Universidade da California, esta nova geração de banda larga, que aumenta a atual velocidade em cerca de mil vezes, já deve estar ao alcance do público consumidor em 2015.