COMPLIANCE

Stara: reforço na segurança com Netfive

21/10/2020 08:41

Empresa de implementos agrícolas contratou “CSO virtual” da Netfive.

Stara fabrica produtos com tecnologia de ponta. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Stara, indústria de implementos agrícolas, deu uma repaginada nas suas práticas de segurança da informação com uma consultoria da Netfive.

Realizado ao longo dos últimos 12 meses, o projeto visava a adequação às principais normas de segurança e privacidade de dados do mercado e  resultou em mais de 20 mil vulnerabilidades corrigidas e redução de ataques em 90%. 

Além disso, 700 dos cerca de 2 mil colaboradores da empresa passaram por treinamentos, para criar uma consciência de segurança em toda a organização.

“Vejo que estamos conseguindo grandes resultados, mitigando muitos riscos e aumentando nosso conhecimento de segurança da informação”, afirma Mariano Lopes, gerente de TI da Stara.

A metodologia de segurança prevê ciclos de escopo pequeno, cobrindo todas as verticais de forma rápida e o aprendizado com o processo poderia ser usado nos próximos ciclos, elevando rapidamente a maturidade da equipe de segurança.

“Hoje conseguimos delegar e medir as atividades relacionadas à segurança. Amadurecemos muito e em breve teremos um setor formal. O resultado dessa campanha é claro e aos poucos a cultura de segurança e privacidade está aparecendo. Estas ações terão impacto positivo no próximo desafio, que é a adequação à LGPD”, afirma Jack Cé, coordenador da infraestrutura de TI da empresa.

A Stara é sediada em Não-Me-Toque, cidade de pouco mais de 16 mil habitantes no coração agrícola do Rio Grande do Sul, e produz implementos agrícolas com tecnologia de ponta.

Desde 2006, a empresa desenvolve internamente os seus computadores de bordo, o que não é a regra nem para grandes players multinacionais do segmento, que muitas vezes compram essa tecnologia de terceiros. 

No primeiro trimestre de 2020 a empresa teve uma receita de R$ 490,4 milhões, expansão de 9,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

A solução utilizada durante todo o processo foi desenvolvida pela Netfive, é o vCISO (Virtual Chief Information Security Officer), que visa terceirizar o função do CSO. 

“Com ela, a empresa mapeia os riscos de SI (segurança da informação) para o negócio, cria uma política de segurança da informação, treina e conscientiza os colaboradores, executa a gestão de vulnerabilidades e define um plano de resposta à incidentes e recuperação de desastres”, afirma o CEO da Netfive, Henrique Schneider.

A Netfive atua desde 2008 com infraestrutura de TI e segurança da informação. A empresa faz a gestão compartilhada ou total da infraestrutura de TI de 40 clientes, totalizando 1,5 mil usuários treinados, uma média de 60% na redução dos ataques e mais de 50 mil vulnerabilidades corrigidas. 

Entre os clientes estão nomes como Volpato, Grupo A, Unicred, Darcy Pacheco. 

Veja também

RANSOMWARE
Light: hackers pedem resgate de R$ 37 milhões

Criminosos deram um prazo de dois dias para o pagamento do sequestro de dados.

SEGURANÇA
Hackers afirmam ter 874 GB de dados da Braskem

Ransomware Revil faz pedido de resgate na dark web. Braskem negou vazamento.

IMAGEM
Covid deixa autoestima da TI em alta

Pesquisa da Citrix mostra que 91% acredita que o departamento está mais valorizado do que nunca.

LADO POSITIVO
Coronavírus foi bom para os CIOs?

Grandes migrações para home office ajudaram TI a se aproximar dos CEOs, afirma o Gartner.

CONTRATAÇÃO
Nuno, ex-BS2, assume segurança do BMG

O novo CISO do banco já liderou a área em empresas como Unimed BH, Grupo Dasa e Usiminas.

CONTRATAÇÃO
Ascenty cria diretoria de segurança e saúde

José Carlos Queiroz, ex-IBM, assume o cargo em meio à construção de sete novos data centers.

INFRA
Saque e Pague: mais segurança com Scala

Plataforma distribui patches nos servidores da fintech no Brasil e México.

SEGURANÇA
Embraer compra controle da Tempest

Gigante de aviação já havia feito um aporte na empresa pernambucana em 2016.

SEGURANÇA
Hackers dizem ter dados de 200 mil militares

Site TechMundo conferiu o vazamento, que contém todo tipo de dados sensíveis.

SEGURANÇA
Braskem sofre ataque de ransomware

Acesso a sistemas foi interrompido, mas empresa não pagou resgate ou parou produção.

SEGURANÇA
Equinix sofre ataque de US$ 4,5 milhões

Credenciais de login de 74 servidores estavam sendo vendidas em mercados da dark web.