Um panorama de Maringá. Foto: Wikipedia.

Maringá, cidade paranaense com um setor de tecnologia em alta, acaba de formar um Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI), com representantes do governo municipal, instituições de ensino, entidades e empresas locais.

O conselho faz parte da Lei Municipal de Inovação, que foi aprovada no ano passado, e tem entre seus objetivos a sugestão de diretrizes e aplicação de recursos que contemplem o desenvolvimento de práticas que proporcionem avanços nas áreas de inovação e tecnologia.

Participam do novo conselho Rafaela Campos, CEO da Accellog Global Technology e presidente da Software by Maringá; Sérgio Yamada, diretor da YMDA Educação em TI e VP de TI da Associação Comercial de Maringá; Walcyr Franzoni, investidor na Maringá Capital e Franz Wagner Dal Belo, diretor de Inovação da Prefeitura de Maringá.

"O objetivo é tornar Maringá conhecida pela excelência em software e qualidade de vida. Também é objetivo da SbM despertar o potencial inovador das empresas para gerar cada dia mais prosperidade", explica a presidente da Software by Maringá, Rafaela Campos.

O setor de tecnologia da cidade vem se organizando há mais de uma década, a partir da criação de um Arranjo Produtivo Local.  

Um APL é uma organização que reúne empresas e entidades de um determinado setor para promover o desenvolvimento local, por meio de ações de qualificação, por exemplo.

Mais ou menos na mesma época, foi fundado o Software by Maringá, que hoje reúne 100 empresas, startups e profissionais autônomos associados.

No começo do ano, Maringá destinou uma área de 120 mil metros quadrados (mais ou menos 10 campos de futebol dos grandes) para um futuro parque tecnológico na cidade. Também há iniciativas em curso para fomentar a internacionalização de empresas.

A estimativa é que Maringá tenha hoje 400 empresas do ecossistema de TIC. A ideia do parque é atrair também instituições de ensino, por meio centros de pesquisas e inovação, ambientes de co-working.

Segundo dados da prefeitura, o setor faturou R$ 802 milhões na cidade em 2017, um aumento de quase 10 vezes frente aos números de 2012, sendo hoje em dia 10% da arrecadação de ISS de Maringá.

A previsão do setor de TI para 2018 é alcançar a cifra de R$ 1 bilhão em faturamento na economia de Maringá e 13% do faturamento do ISS.

Planejada e com urbanização recente, Maringá é hoje a terceira maior cidade do Paraná, com 406 mil habitantes.