Marcos Póvoa, CEO da MC1.

A MC1, empresa especializada em software de automação de força de vendas sediada em São Paulo, acaba de comprar uma participação majoritária concorrente Landix Sistemas, de Uberlândia, Minas Gerais.

Com a compra, a MC1, cuja atuação é focada em grandes empresas, ganha uma base de 250 clientes entre médias e pequenas companhias que atuam nos setores de atacado, distribuição e indústria de bens de consumo, com destaque para as principais engarrafadoras Coca Cola.

Outra sinergia é que algumas das empresas distribuidoras atendidas pela Landix são parceiras de clientes da MC1, que atende 60 empresas, incluindo nomes como Pepsi, Heineken, BRF e Kimberly Clark, totalizando 100 mil usuários. 

A MC1 já foi apontada quatro vezes como Líder na Indústria pelo Gartner, na categoria Retail Execution and Monitoring.

“A união dessas competências permitirá o oferecimento de uma solução completa ao mercado de bens de consumo”, afirma o CEO da MC1, Marcos Póvoa.

As duas empresas tem cerca de 20 anos de atuação, mas estruturas diferentes. 

A Landix é uma empresa familiar. A CEO, Anna Paula Graboski, membro da família fundadora, seguirá no cargo, agora reportando para um conselho com integrantes da Landix e da MC1.

Já a MC1 é uma empresa internacional, com escritórios no México e nos Estados Unidos, e tem fundos de investimentos entre os controladores.

Em 2017, a companhia recebeu um aporte da G5 Evercore e da co-investidora Cassis, ao qual se seguiu uma mudança na equipe, com direito à entrada de um CEO de fora.

Para a posição de CEO foi contratado Marcos Póvoa, ex-líder de plataforma digital na Linx, especializada em soluções para o varejo e com passagens por posições de liderança em empresas como Bauducco e Femsa. 

A MC1 não abre as participações acionárias, mas em 2014 o fundo brasileiro Treecorp, informou ter assumido o controle, em meio a uma operação de fusão entre a MC1 e a Mobile People.

A Treecorp é formada por três investidores. Luis Filipe Lomonaco, ex-presidente da rede de estacionamentos Estapar e Daniel McQuoid, ex-vice-presidente da incorporadora JHSF.