Manoel Amorim, CEO da Facilit. Foto: Peu Ricardo/divulgação.

A Facilit Tecnologia, pernambucana especializada em sistemas de acompanhamento e estratégia de gestão pública e privada, acaba de receber um aporte de R$ 3 milhões da KPTL, gestora do Fundo Criatec 3, criado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES).

Fundada em 1994, a Facilit tem sede no parque tecnológico Porto Digital, localizado em Recife, e nasceu como uma software house. Em 2005, a empresa mudou o modelo de negócio para se dedicar apenas ao programa Communis. 

A partir de 2007, criou a plataforma Target, um sistema de gerenciamento e execução da estratégia que conecta e compartilha os objetivos e estratégias do negócio com aqueles que executam as mudanças dentro das organizações.

Mais recentemente, em 2015, a companhia passou a atuar no modelo de negócio Software as a Service (SaaS), tornando a receita em recorrente e reajustando a plataforma para tal. Hoje são 32 clientes grandes e 60% da receita da empresa vem do setor público. 

Entre os clientes, estão o Governo de Pernambuco, a Prefeitura Municipal de Jaboatão e Sorocaba, o Ministério da Integração Nacional e o Projeto de Integração da Transposição do Rio São Francisco. 

"Quem usa o sistema aprende uma noção exata do que é gestão. O tempo todo tem problemas chegando, mas sem uma ferramenta te ajudando a coisa dispersa. Na hora em que começa a gerir, todos os indicadores melhoram e a população reconhece isso nas urnas", afirma Manoel Amorim, CEO da Facilit.

A Facilit sempre trabalhou somente com investimento próprio e, com o aporte e o smart money por trás dele, pretende melhorar a governança, trabalhar o mercado do Sudeste de maneira mais forte e entrar na iniciativa privada que fica, majoritariamente, em São Paulo.

"Diante de um horizonte que obrigará governos a se digitalizar cada vez mais para atender uma população que já tem mais de um smartphone por habitante, a Facilit é uma joia que só tende a valorizar. Uma ferramenta sólida que se aprimorou no setor público, mas que tem todo potencial para ir muito bem também na iniciativa privada", avalia Renato Ramalho, CEO da KPTL.

A KPTL é uma gestora de venture capital com ativos na ordem de R$ 1,2 bilhão e quase 60 empresas investidas. Sediada em São Paulo, a empresa tem seis escritórios espalhados pelo Brasil e um em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Fundada a partir da fusão entre a Inseed Investimentos e a A5 Capital Partners, a companhia é gestora do Fundo Criatec 3, criado pelo BNDES em 2016.

Com atuação nacional, o Criatec 3 conta com mais 10 cotistas além do BNDES e já fez mais de 20 investimentos em startups de diversos setores como agronegócio, energia, mídia, varejo e tecnologia da informação.