Crescimento da SAP encolheu no Brasil. Foto: SAP.

A SAP teve um primeiro trimestre fraco no Brasil. Nesta terça-feira, 22, a empresa divulgou nota oficial falando em crescimento de “um dígito” na receita total e na receita de software e serviços relacionados.

Seja ele de 1% ou 9%, o resultado divulgado empalidece frente aos números divulgados pela companhia no mesmo trimestre do ano passado, quando a receita receita de software cresceu 56% em relação ao mesmo período de 2012. 

Nos resultados deste trimestre, a SAP do Brasil frisou o crescimento em áreas que não são tradicionalmente o ponto forte da empresa, de novo, sem abrir números. Saúde e transporte e logística, tiveram crescimento de três dígitos cada, e bancário, com aumento de dois dígitos.

Em níveis globais, a receita de software e serviços relacionados, teve um aumento de 9% no primeiro trimestre de 2013.

Os resultados divulgados hoje foram precedidos de uma reestruturação da área de vendas da companhia no Brasil nas últimas semanas.

A última saída foi a de Sérgio Camorcio, diretor de vendas da SAP Brasil, no começo de abril.

Camorcio entrou na SAP como diretor de canais em abril de 2011, vindo da IBM onde atuou por quase uma década, chegando a ser country manager de 2006 a 2008.

Recentemente, Renato Morsch, outro ex-IBM contratado pela SAP em 2010, deixou a vice-presidência de vendas para clientes corporativos da empresa para atuar na Salesforce.com.

As mudanças foram precedidas por uma grande reestruturação em sua área de canais, reorganizando o departamento por frentes de atuação.

No processo, Carolina Bastos ficou com a diretoria de contratos OEM, ficando responsável também por novas rotas de mercado e Fábio Gusman passou a diretor de vendas via canal Business All-in-One e inovação.

Além disso, Priscila Jones comandará esforços de vendas de Business One para pequenas e médias empresas; Renato Brisola ocupará a diretoria de vendas internas, focado promover geração de demanda para novas soluções; e Ubiraci Mata assume a responsabilidade junto a canais que atuam no segmento na vertical de finanças e governo.