A cantora Iza é a garota propaganda da fintech. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A PicPay, fintech de pagamentos com sede em Vitória, protocolou os documentos para o seu IPO na Nasdaq, segunda maior bolsa de valores americana, com coordenação do BTG Pactual, Bradesco, Barclays e Santander. 

De acordo com o site Brazil Journal, a operação deve ser lançada até o dia quatro de maio, quando será divulgada a faixa de preço e o tamanho da oferta.

Com a nomenclatura PICS, a empresa estaria pretendendo fazer uma oferta 100% primária para financiar principalmente o crescimento orgânico da companhia, assim como eventuais oportunidades de M&A.

Em conversas com investidores, a fintech estaria comparando seu modelo de negócios com o do WeChat, a rede social chinesa que também opera como uma wallet e um marketplace de serviços financeiros.

A PicPay também tem uma parte social dentro do app, permitindo que os usuários troquem mensagens entre eles, e divide seu negócio em quatro segmentos: a carteira digital, o marketplace financeiro, a loja, e a parte de anúncios, pela qual vende espaços de publicidade on-line e inteligência de mídia.

Criada em 2012 por três empreendedores de Vitória, a PicPay foi a primeira empresa de tecnologia do país a oferecer o QR Code para pagamentos instantâneos.

A fintech foi posteriormente adquirida pela J&F Participações, holding da família Batista, e era administrada diretamente pelo Banco Original, parte do mesmo grupo.

Agora, a empresa passa por uma reestruturação societária, com o Original deixando de ser acionista, e será controlada diretamente pela J&F.

No ano passado, a PicPay teve um volume de pagamentos (TPV, na sigla em inglês) de R$ 49 bilhões, uma receita líquida de R$ 389 milhões e um prejuízo líquido de R$ 803 milhões.

O crescimento da sua base de clientes, no entanto, tem sido substancial: em 2018, eram 10 milhões de usuários, número que saltou para 15 milhões no ano seguinte e para 39 milhões no final de 2020. 

Com estratégias como oferecer um rendimento de 210% do CDI e patrocinar ativamente o programa Big Brother Brasil, a maior audiência da televisão no momento, a fintech bateu mais de 50 milhões de usuários há uma semana.

Em fevereiro deste ano, a companhia ainda apostou em nomes como Camila Farani, Gilberto Xandó, Mario Mello e Vicente Trius para compor seu conselho de administração, presidido por José Antônio Batista.