Sidnei Barronio e Kelly Silva. Foto: divulgação.

A Stihl, especializada em ferramentas motorizadas portáteis, implantou o Greendocs, da gaúcha W3K, empresa do grupo SKA, como plataforma de workflow para registro de documentos e decisões no projeto de construção de seu novo Centro de Distribuição de São Leopoldo, no qual investiu R$ 62 milhões.

A obra, que faz parte do plano de investimentos anunciado em 2012 pela Stihl e que soma R$ 518 milhões para expansão no Rio Grande do Sul até 2014, resultou em um CD de 16.400 metros quadrados, com dois andares para escritórios, 20 docas de expedição e três de recebimento de produtos, além de área de manobras para mais de 40 caminhões.

Sidnei Barronio, Industrial Planning Specialist da Stihl, explica que, para a obra, a empresa definiu o modelo de contrato PMG (Preço Máximo Garantido), que considerou a aquisição direta por parte da Stihl de quase todos os materiais e serviços associados à construção.

Isso demandou alto fluxo de documentos tramitando entre as emrpesas envolvidas,  registrando as aprovações e  decisões  tomadas.

Foi aí que entrou em cena o GreenDocs, no qual a companhia apostou como solução para não sobrecarregar o servidor de e-mails.

Até o momento, 940 documentos já foram gerenciados pela plataforma de workflow, e até o fim das tratativas com as duas empresas envolvidas no projeto do CD, a Engineering e a Hochtief do Brasil, o volume chegará fácil a 1 mil, segundo Barronio.

Pelo GreenDocs, a Stihl trabalhou, neste projeto, com 12 tipos de documentos. Do total movimentado até agora, cerca de 700 são documentos que precisaram de aprovações formais .

“Com a plataforma, pudemos registrar toda a comunicação sem precisar de telefonemas ou e-mails, garantindo precisão no registro dos documentos, agilidade nos prazos de aprovação e ganhos de rastreabilidade da informação”, comenta Barronio. “A consolidação de informações em um único local e o controle de documentos via workflow são vantagens que destaco na plataforma”, completa Kelly Silva, que atuou nas funções de Aquisições e Controle de Custos da Stihl.

Otimizações que garantem o andamento do projeto que, segundo o presidente da Stihl Brasil, Cláudio Guenther, foi o maior investimento do plano de desenvolvimento e da história da empresa.

Com matriz na Alemanha, a multinacional tem unidades produtivas no país sede, Brasil, EUA, Áustria, Suíça e China.
Em pontos de venda, a rede soma 38 mil distribuídos por 160 países.

Só no Brasil, onde a sede é São Leopoldo e emprega cerca de dois mil colaboradores, a Stihl conta com 2,4 mil PDVs, que revende seus produtos destinados aos mercados florestal, agropecuário, de jardinagem e doméstico.