Brasileiros estão tomando mais dinheiro pelos apps. Foto: divulgação.

Os consumidores brasileiros estão ampliando os empréstimos tomados via aplicativos de celular ou tablet, segundo apontam os maiores bancos do país.

Em um levantamento publicado pela Folha, instituições registraram nos primeiros cinco meses de 2015 um volume total de crédito maior que o total destas operações em 2014.

No Banco do Brasil, por exemplo, o total de empréstimos por apps ultrapassou R$ 450 milhões em maio. Em 2014, o total destes créditos ficaram em R$ 360 milhões.

No Bradesco, foram R$ 423,3 milhões em empréstimos concedidos via aplicativo entre janeiro e maio, pouco menos que os R$ 498 milhões de todo 2014.

Sem revelar valores consolidados, o Itaú divulgou um crescimento de 113% no volume de crédito contratado por dispositivos móveis sobre o registrado nos cinco primeiros meses de 2014.

O Santander Brasil também não deu valores, mas informou uma de 290% na comparação entre abril de 2015 e o mesmo mês de 2014.

Segundo analistas, os empréstimos via app aceleraram devido ao aumento de usuários de smartphone assim como a facilidade de acesso ao serviço para consumidores impulsivos.

"Muitas vezes, esta pessoa precisa de recurso com agilidade e, por isso, acaba recorrendo ao crédito pré-aprovado no aplicativo do celular, que pode dar a falsa impressão de que ela tem mais dinheiro do que realmente tem", afirmou o consultor de negócios Marcelo D'Agosto ao jornal.

Entretanto, para a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), o aumento da adoção do serviço foi acompanhada por uma escalada nos jutos. A taxa média de juros para pessoa física chegou a 6,87% ao mês (121,96% ao ano) em maio — a maior desde junho de 2010.

Internet e mobile banking responderam por quase a metade das transações realizadas no ano passado (47%), ante 37% dos canais tradicionais (caixas eletrônicos, contact center e agências bancárias), segundo a pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária.