Paulo Pichinni.

A KB7 acaba de adquirir participação acionária de valor e percentual não revelados na Go2neXt, empresa de São Paulo que afirma ser a primeira de integração e construção de ambientes de computação em nuvem do Brasil.

A companhia foi fundada em 2011 por Paulo Pichini, que foi presidente da Getronics para o Brasil e América Latina, hoje é CEO da Go2neXt e seguirá no cargo, contando também com os sócios da KB7, Valdir Bignardi, Rubens do Amaral Jr. e Flávio Maria Rossini.

Os novos sócios tornam-se membros do conselho da empresa.

“Passamos a usufruir da experiência que eles três conquistaram em mais de 30 anos de carreira”, resume Pichini.  “Nosso conselho conta, agora, com pessoas que ajudaram a construir a infraestrutura de ICT do Brasil e conhecem em profundidade tecnologia, empresas e pessoas”, completa.

Segundo Pichini, a Go2neXt tem atraído “muitos investidores” com a abertura para venture capital, em um plano para acelerar o crescimento e faturar R$ 16 milhões até o final de 2012.

Para o período, a companhia também havia anunciado no começo deste ano um plano de investimentos de R$ 6 milhões, incluindo a compra ainda este ano de uma empresa da área de infraestrutura de redes.

CURRÍCULO

Entre os novos sócios, Bignardi atuou como sócio-diretor da Engecom, empresa adquirida pela Bull France em 1995, e foi diretor de tecnologia da Integris, além de country manager da Fore Systems (atualmente parte da Ericsson) no Brasil e líder de Canais Brasil da Cisco Systems.

Ele também foi country manager da Redback Networks e, juntamente com Rubens Amaral e Flávio Rossini, criou e dirigiu a MTel – empresa vendida ao Alothon Group em 2011.  

Já Amaral iniciou sua carreira na Siemens, passou pela Prolan e criou, juntamente com Bignardi e Flávio Rossini, a Engecom. Após a venda desta empresa, fundou com seus sócios, em 1997, a MTel.

Entre os anos 1999 e 2000 Amaral foi country manager da Arrrow Point. Com a compra desta empresa pela Cisco Systems Inc., Amaral tornou-se  diretor de Web Content Switches. Em 2002, voltou à MTel, onde passou a atuar como presidente da companhia.

Rossini vem da área financeira.

Além de co-fundador da Engecom e da Mtel, tendo sido nesta última VP de Estratégia e Finanças , ele também criou o primeiro FIDC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios) de uma empresa de tecnologia no Brasil, com capital autorizado de R$ 500 milhões pela CVM.

O executivo também é co-fundador da eXcelerator, empresa criada a partir da parceria com o grupo financeiro Hedging Griffo.

Desde 2010, atua como investidor com foco em TI, tecnologia e finanças.