O brasileiro Hugo Barra vai deixar a Xiaomi em fevereiro. Foto: Divulgação.

O brasileiro Hugo Barra vai deixar a Xiaomi após atuar por quase 4 anos como líder da expansão internacional da fabricante chinesa de smartphones.

O executivo publicou um post no Facebook anunciando que deixará a companhia em fevereiro, após o ano novo chinês.

No post, Barra explica que deseja voltar a trabalhar na Califórnia, mas não detalha qual será o caminho de sua carreira após a saída da Xiaomi. Antes de ingressar na companhia chinesa, o executivo liderava o desenvolvimento Android no Google.

“Eu percebi que viver em um ambiente tão singular nos últimos anos impactou minha vida e começou a afetar a minha saúde. Meus amigos, que eu considero ser minha casa, e minha vida estão no Vale do Silício, que também é muito mais perto da minha família”, relata.

Ele também afirma acreditar que a Xiaomi está em um lugar muito bom em seu caminho de expansão global.

“Transformamos a Índia de um sonho no maior mercado internacional da Xiaomi, conquistando US$ 1 bilhão em receitas anuais mais rápido do que qualquer outra empresa na história da Índia. Nós expandimos para Indonésia, Cingapura, Malásia, e mais recentemente para 20 outros mercados, incluindo Rússia, México e Polônia”, destaca Barra.

No entanto, o momento da Xiaomi não é dos melhores. Este ano, pela primeira vez, a Xiaomi se recusou a fornecer números de vendas anuais e admitiu que cresceu muito rápido, levantando dúvidas sobre as possibilidades de continuidade do grande crescimento que lhe deu uma avaliação de US$ 45 bilhões há dois anos.

Além disso, a companhia perde o título de maior fabricante de smartphones da China com a concorrência da Huawei e outras fabricantes em ascensão, como Oppo e Vivo. 

Com isso, a expansão global se tornou uma prioridade, o que torna a escolha de um substituto para Barra em uma tarefa ainda mais importante.

O co-fundador da Xiaomi Bin Lin, também ex-executivo do Google, disse que o vice-presidente sênior Xiang Wang liderará os negócios internacionais da Xiaomi. Wang, ex-chefe da Qualcomm China, entrou para a Xiaomi em 2015.