CORONAVÍRUS

Medida trabalhista não dura um dia

23/03/2020 10:40

MP que permitia a suspensão de contratos de trabalho por até quatro meses pegou mal.

MP também trata de FGTS, adiantamento de férias, férias coletivas e antecipação de feriados. Foto: Carolina Antunes/PR.

Tamanho da fonte: -A+A

O Governo Federal acaba de revogar o artigo 18 da Medida Provisória 927, que autorizava as empresas a suspenderem contratos de trabalho pelo prazo de até quatro meses durante o estado de calamidade pública gerado pela pandemia do coronavírus.

De acordo com o site GaúchaZH, a medida havia sido publicada na noite do último domingo, 22.

Para ter a opção, a empresa precisaria oferecer aos funcionários um curso ou programa de qualificação profissional não-presencial com a mesma duração da suspensão contratual.

Registrada na carteira de trabalho, a suspensão não dependeria de acordo ou convenção coletiva, podendo ser acordada individualmente ou com um grupo de empregados.

Nos casos em que a qualificação não fosse oferecida, não seria considerada a suspensão do contrato, sendo obrigatório o pagamento de salário e de encargos sociais do período.

Ainda de acordo com a publicação, o pagamento de uma ajuda de custo poderia ser definido entre as partes, sem encargos trabalhistas.

Apesar da revogação da medida, todos os outros artigos da MP continuam valendo.

A MP determina que não será exigido o recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) referente aos meses de março, abril e maio de 2020. 

No entanto, o pagamento dessas obrigações deverá quitado em até seis parcelas mensais a partir de julho.

No caso de antecipação de férias, o empregador deve informar o empregado com antecedência de, no mínimo, 48 horas, por escrito ou por meio eletrônico, com a indicação do período de duração.

Segundo o documento, o empregador poderá pagar o adicional de um terço de férias após a sua concessão.

Já as férias coletivas poderão ser concedidas a critério das empresas, também com notificação em um período superior a 48 horas.

"Ficam dispensadas a comunicação prévia ao órgão local do Ministério da Economia e a comunicação aos sindicatos representativos da categoria profissional", diz o texto.  

Outra opção é a antecipação de feriados não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais, dependendo da concordância do empregado. Neste caso, os colaboradores também precisam ser comunicados com antecedência de, no mínimo, 48 horas.

Segundo o site, a MP estabelece ainda que os feriados poderão ser usados para compensação de saldo em banco de horas.

Veja também

RANKING
Bolsonaro: o mais ineficaz contra o coronavírus no mundo?

Opinião é do CEO da consultoria de risco político Eurasia Group, Ian Bremmer.

PANDEMIA
Algar Tech manda metade do time para casa

Empresa vai diminuir concentração no contact center como medida de segurança.

SITUAÇÃO
Vem aí uma rebelião nos call centers?

Protestos estão pipocando em todo país em meio ao medo do coronavírus.

CORONAVÍRUS
Serpro: todos para casa no DF, SP e RJ

A partir de quinta, outras regionais poderão optar pela mesma medida se acharem necessário.

PORTO ALEGRE
UFRGS, PUCRS e Unisinos suspendem aulas por coronavírus

As principais universidades da capital gaúcha pretendem retomar as atividades em abril.

ACADÊMICO
Unicamp suspende atividades por coronavírus

A universidade é a primeira brasileira a adotar medida, que vale de 13 a 29 de março.

GESTÃO
Gartner: três dicas para lidar com coronavírus

O que os CIOs podem fazer para ajudar as suas empresas, além de lavar as mãos.

PANDEMIA
ASUG transfere conferência para junho

Associação de usuários da SAP decidiu se prevenir contra o coronavírus.

CORONAVÍRUS
Estados Unidos proíbe entrada de europeus

As restrições, que afetam 26 países europeus, fizeram despencar as ações das companhias aéreas.

BRASIL
Mastercard fecha escritório em SP por coronavírus

Funcionário, que também esteve em Nova Iorque, foi diagnosticado com a doença.