ARTE

Passeio virtual 3D pelas obras de Aleijadinho

23/04/2014 16:10

Site foi criado a partir de pesquisa do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP.

Adro virtual do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Uma pesquisa realizada no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, possibilitou a criação de um site que permite a visualização 3D das obras do mestre barroco Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho.

O projeto começou em julho de 2013, quando os professores José Fernando Rodrigues Jr e Mário Gazziro digitalizaram as obras de Aleijadinho nas cidades de Ouro Preto e Congonhas, em Minas Gerais. 

O equipamento empregado nesse processo foi um escâner tridimensional de alta precisão, fornecido pela empresa suíça Leica Geosystems, que tem uma sede no Brasil, localizada em São Carlos. 

O equipamento possibilitou que as obras fossem digitalizadas a uma distância entre 10 e 30 metros, sem a necessidade isolar os locais. 

Os desafios enfrentados pelo projeto incluíram falhas nos dados escaneados - como buracos, ausência de detalhes e cores incorretas - além do tamanho dos arquivos– uma única estátua bruta chega a ter mais de 200 megabytes de dados. 

Depois da etapa de combinação de arquivos dos diferentes ângulos escaneados de cada peça, o resultado é um grande emaranhado de pontos, conhecido tecnicamente como nuvem ou malha de pontos, o qual ainda não possibilita a visualização de um objeto tridimensional. Isso só acontece depois que os dados passam pelo processo de triangulação.

Para fazer a coloração das imagens, a Imprimate Impressões 3D atuou voluntariamente no projeto. A partir de fotos coloridas de diferentes ângulos de cada uma das obras, a empresa inseriu as informações de cor nas formas em 3D.

Como uma grande quantidade de triângulos impossibilitaria que a informação pudesse ser disponibilizada na web, pela potência que exigiria das máquinas, os pesquisadores realizaram outra etapa de preparação dos dados chamada decimação, utilizando o software livre MeshLab

Essa etapa de correção de imperfeições captadas pelo escâner, um processo manual foi realizado para inserir os dados que faltavam. A atividade foi feita com software livre de modelagem 3D Blender.

Com o tratamento dos dados finalizado, foi necessário terminar o trabalho processando as obras digitais para que um plugin gratuito para navegadores da internet fosse capaz de promover a interação 3D. Para isso, foi empregado o software Unity, em sua versão de avaliação.

A equipe responsável por trazer a obra de Aleijadinho em formato 3D interativo para a internet é composta também pela historiadora Natália Gonçalves, e por cinco estagiários, alunos de graduação da USP: Yvan Fernandes, do Instituto de Física de São Carlos, e os estudantes de Ciências de Computação do ICMC Anayã Gimenes, Henrique de Castilho, Igor Baliza e Oscar Neto.

A iniciativa é apoiada pela Comissão de Cultura e Extensão do ICMC, pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da USP e pelo Museu de Ciências da Universidade.

Veja também

FUTURO
Tablet de 4K pode matar PC no CAD?

PCs podem ser substituídos por tablets 4K ultraressistentes de 20 polegadas.

PROJETO ARA
Motorola: impressão 3D + smartphones

Plano é desenvolver telefones modulares que permitiriam aos usuários produzir e combinar diferentes peças de hardware, como num jogo de montar.

CAD
Autodesk aumenta oferta da loja online

Foram incluídos os carros-chefe AutoCAD, Autodesk Maya e Autodesk 3D Max.

CAD
IST é a maior revenda SolidWorks

O destaque foi entregue durante o SolidWorks World.

BIM
Construtivo integra software com Revit

É a primeira integração de um software de colaboração com a ferramenta da multinacional.