CONCORRÊNCIA

Amazon é acusada de uso indevido de dados

23/04/2020 16:23

Empresa estaria utilizando informações do marketplace para criar produtos de marca própria.

Segundo o The Wall Street Journal, a prática é comum na empresa. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Amazon estaria usando dados dos vendedores de seu marketplace para desenvolver produtos de marca própria, ajudando-a assim a competir com seus próprios clientes mais na frente.

A prática sempre foi negada pela Amazon, mas, de acordo com The Wall Street Journal, um dos jornais de economia mais prestigiados do mundo, é comum na empresa, sendo “discutida abertamente em diversas reuniões”.

A informação veio de 20 ex-funcionários da gigante do e-commerce ouvidos pela publicação, além de um que ainda trabalha na companhia.

Eles teriam dito ao WSJ que a empresa tem usado relatórios de vendas de produtos de terceiros para decidir se entra ou não em determinado segmento, quais recursos copiar, e até como precificar o novo produto.

A Amazon teria acessado, por exemplo, dados sobre as vendas de um organizador de porta malas de carros da marca Fortem, um best-seller do site. Algumas semanas depois, lançou seu próprio produto.

Segundo o WSJ, as informações incluíam o total de vendas, o valor pago em marketing e entrega, e quanto a Amazon ganhou em cada venda.

Outra caso é o da Upper Echelon Products, que vende uma almofada para cadeiras de escritórios no site. 

No início do ano passado, um funcionário da Amazon diz ter compilado e analisado os dados de um ano de vendas deste produto. Em setembro, a empresa lançou sua própria versão da almofada.

“Sabíamos que não podíamos, mas, ao mesmo tempo, estávamos criando produtos da Amazon e queríamos que eles vendessem”, contou um desses funcionários ao WSJ.

A Amazon disse ao jornal que proíbe estritamente o uso de informações específicas e privadas de vendedores para determinar o lançamento de produtos private label, garantindo que vai abrir uma investigação interna sobre o assunto.

A divisão de private label da Amazon tem 43 marcas com mais de 243 mil produtos, respondendo por apenas 1% das vendas totais. 

Ainda de acordo com a publicação, o objetivo da empresa é que esses produtos passem a representar 10% do faturamento até 2022.

A notícia deve aumentar o mal estar entre a Amazon e seus vendedores, que já suspeitavam que a empresa se beneficiasse de seus dados.

Como a Amazon responde por quase 40% de todas as vendas do e-commerce americano, os varejistas que querem ter sucesso vendendo na internet são praticamente obrigados a listar seus produtos na plataforma.

Veja também

ÍNDIA
Facebook investe US$ 5,7 bilhões na Jio Platforms

Empresas pretendem usar o WhatsApp para comércio no maior mercado do aplicativo no mundo.

ATENDIMENTO
Governo autoriza fechamento de call centers

Portaria parece uma preparação para uma piora no cenário do coronavírus.

CORONAVÍRUS
TI do Rio de Janeiro aderiu em peso ao home office

Levantamento do sindicato TI Rio mostra que 99% entraram no sistema.

HOME OFFICE
DMCard: call center em casa com AWS

Administradora de cartões mandou 214 funcionários para casa em uma semana.

NUVEM
Abstartups e AWS oferecem US$ 5 mil em créditos

Qualquer startup brasileira pode usufruir do valor a ser usado em serviços de cloud.

E-COMMERCE
Amazon suspende envio de produtos não essenciais

Em seus armazéns, empresa vai priorizar mercadorias relacionadas à pandemia de coronavírus.

CLOUD
Flix Media gerencia infraestrutura com Claranet

Projeto que utiliza Terraform automatizou armazenamento na nuvem da AWS.

NUVEM
Nova reviravolta no mega contrato do Pentágono

Vitória da Microsoft em licitação de US$ 10 bilhões pode não ser definitiva.

CONTRATAÇÃO
Faber-Castell tem novo gerente de inovação

Leo Ferreira tem 10 anos de carreira e já liderou o programa de aceleração da Visa.

BRASIL
Mastercard fecha escritório em SP por coronavírus

Funcionário, que também esteve em Nova Iorque, foi diagnosticado com a doença.