Isso é uma resina termoplástica. Foto: divulgação Piramidal.

Tamanho da fonte: -A+A

A Piramidal, companhia brasileira líder no mercado de resinas termoplásticas, migrou sua infraestrutura para a nuvem da Binário Cloud, em um projeto entregue pela Waits.

A decisão de migrar para a Binário, que usa a infraestrutura do data center da Odata, foi um desdobramento das mudanças causadas na empresa pela pandemia do coronavírus.

A Piramidal decidiu transformar o trabalho remoto em regra para reduzir custos com a locação do escritório, o que causou repercussões também na ideia de infraestrutura de TI que a empresa quer manter.

Um desafio adicional do projeto foi um upgrade previsto no sistema de gestão de relacionamento com clientes Oracle Sales Cloud durante a migração, que tinha um cronograma previsto de um mês.

Também foi migrado o sistema de gestão da SAP e feita uma conexão de VPN entre escritório central, filiais e data center. Hoje, o ambiente computacional da Piramidal conta com 7 servidores, que suportam 40 vCPUs, com 160 GB de processamento e quase 7 TB de armazenamento.

“O resultado final é impressionante. Hoje, reduzimos custos e podemos contar com um ambiente escalável, temos mobilidade em uma infraestrutura 100% atualizada e redundante”, afirma Ademilson Izidório, coordenador de TI da Piramidal.

As resinas termoplásticas são muito utilizadas na produção industrial, uma vez que as mesmas podem ser remoldados, quando submetidos à aquecimento. A Piramidal atende  2500 clientes mensais com uma varidade de 1500 produtos.

Fundada em 2017, a Binario Cloud tem como principal investidor o Grupo Binário e atua no Brasil, América Central e Estados Unidos. Em seu portfólio, estão clientes como Gimba, Governo do Panamá, Tevec, Guiato e Nita Alimentos.