183%

Funcionário custa mais do que parece, diz FGV

23/05/2012 17:18

Tamanho da fonte: -A+A

Um estudo da FGV divulgado nesta terça-feira, 23, apontou novos números para o custo de um funcionário para uma empresa, além dos salários propriamente ditos.

O índice indicado é de 183% do próprio salário, bastante acima de outros estudos famosos, como do professor José Pastore, que apontava 102%, publica a Exame.com.

Segundo os autores do novo estudo, a diferença é que a pesquisa foi feita com base em dados reais de duas empresas do setor têxtil, uma de São Paulo, outra de Santa Catarina.

O levantamento inclui dados que antes ficavam de fora, como o custo do treinamento e o peso da própria área de recursos humanos, boa parte da qual existe para manter as obrigações impostas para a CLT, apontam os pesquisadores.

Os novos fatores respondem por 27% do custo de cada trabalhador, enquanto encargos e benefícios representam 30%.

A conclusão, segundo os pesquisadores, é de que há espaço para diminuição de custos sem entrar na delicada discussão de direitos.

Como a indústria têxtil é mais intensiva em mão de obra que muitas outras, o cálculo da FGV não pode ser transportado facilmente para qualquer setor.

Segundo os pesquisadores, o mais válido é o fato da tabela criada poder ser utilizada para calcular os diferentes custos de cada setor, que também variam por região.

Veja também

BITS 2012
Falta mão de obra... e só chorar não resolve!

Empresas e universidades debateram como superar o problema da falta de profissionais de TI na BITS 2012.

TRT QUE DISSE
Ficar com o celular da empresa não é hora extra

Veredito contraria os mais pessimistas, que previam parecer favorável obtido com facilidade.

LEI DE GERSON FALHA
Empregado espertinho acaba indenizando empresa

Funcionário tenta levar vantagem processando empregador duas vezes e acaba de dando mal.

SINDPPD X SEPRORGS
SAP Labs reajusta salários em 7,66%

Centro desenvolvimento e suporte da SAP localizado em São Leopoldo vai reajustar em 7,66%. Sindppd-RS comemora. Seprorgs diz que não é bem assim.

SEUS DIREITOS
Churrasquinho não dá nada

Funcionário de usina de cana de açúcar foi demitido por justa causa em Minas Gerais por promover churrasco. Justiça reverteu decisão.

EXAGERO NA DOSE
Motivação com balas de borracha

Uma vendedora do Bradesco Vida e Previdência em Minas Gerais acaba de receber em segundo grau uma indenização de R$ 30 mil por assédio moral no trabalho.


Segundo nota do Tribunal Regional do Trabalho 3ª Região, as chefias do departamento adotaram uma prática inusitada de motivação: disparar tiros de balas de borracha tendo como alvo fotos os vendedores que não atingiam as metas.

Licença maternidade de 6 meses obrigatória?

A nova ministra-chefe da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, apresentou uma proposta para que o novo período de licença-maternidade, que passou de quatro para seis meses, se torne obrigatório.

A obrigatoriedade, segundo Eleonora, deve valer tanto para o setor público quanto para o privado.

Atualmente, as empresas são obrigadas a pagar apenas os quatro primeiros meses da licença, ficando os dois meses restantes como opção.

Maia promete mexer na CLT

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), prometeu em entrevista ao DCI encaminhar medidas que facilitem a abertura de novas empresas no país e simplifiquem a CLT.

Até o momento, o assunto ainda está em discussões preliminares, sem prazo para votação de projetos.

Dinâmicas de grupo: rebolar não vale

Você não gosta de entrevistas de emprego que envolvam dinâmicas de grupo? Acha a situação toda constrangedora?

Empresas obrigadas a dar seguro de vida?

Está em análise pela Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 3007/11, que obriga pessoas jurídicas inscritas no CNPJ do Ministério da Fazenda a contratar seguro de vida para seus funcionários.

O projeto, de autoria do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), prevê garantir capital segurado relativo a pelo menos 50 salários mínimos vigentes para cobertura de morte por qualquer causa.

Nextel condenada por teletrabalho

A alteração da CLT que igualou o teletrabalho com o prestado dentro das empresas começa a ter suas primeiras consequências no mercado.

Terceirização rende multa de R$ 1,3 bi

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), empresa do grupo Neoernergia, foi condenada a pagar multa no valor de R$ 1,3 bilhão devido a suposta terceirização indevida de atividades fins. 

Brasil precisa flexibilizar CLT

O Brasil está perdendo a oportunidade de flexibilizar suas leis trabalhistas em meio ao período de bonança econômica atual.