Rodrigo Parreira. Foto: divulgação.

Os puxões de orelha da Anatel sobre as operadoras de telecom no ano passado podem ter doído em alguns, já que as teles tiveram de botar a mão no bolso para pagar multas e investir em qualidade, mas foram motivo de alegria para outros, como a PromonLogicalis, que fornece soluções para o setor e, com o impulso dos investimentos em rede, cresceu 31% no Brasil no ano fiscal de 2013, encerrado em fevereiro passado, somando receita líquida de R$ 704 milhões.

No país, todas as grandes operadoras são clientes da companhia, e tiveram que evoluir suas infra-estruturas de dados e voz para atender às exigências de qualidade na prestação de serviços e cobertura estabelecidas pela agência.

“Avançamos muito com o fornecimento de soluções para melhoria das redes e infraestrutura para assegurar a evolução do 4G, especialmente nas cidades-se de da Copa das Confederações”, afirma o CEO da PromonLogicalis, Rodrigo Parreira, em entrevista exclusiva ao Baguete.

Ainda conforme o CEO, o bom resultado do ano também foi reflexo da estratégia de capilarização que resultou na abertura de novas filiais nas regiões Sul e Nordeste.

No Sul, a integradora abriu escritórios em Porto Alegre e Curitiba no meio do ano passado, quando atendia a cerca de 15 clientes na região, incluindo nomes como Eletrosul, Terra, GVT, BRFoods e Sercomtel, entre outros.

De lá para cá, foram cerca de 12 novos contratos, entre os quais entram as gigantes de energia elétrica CEEE, do Rio Grande do Sul, e Copel, do Paraná.

Em todo o país, a carteira de clientes da PromonLogicalis chegou a cerca de 200 atendidos, com a telecom tendo fatia de 65% do faturamento, o mercado corporativo, 30%, e o governo, 5%.

De acordo com Parreira, a participação tímida do governo na receita da empresa no país se deve, em muito, à burocracia envolvida nos processos de compra, que acaba por atrasar investimentos.

“É um segmento de alta demanda por tecnologia, mas os processos, às vezes, tornam-se bastante complexos e demorados”, comenta o CEO.

AMÉRICA LATINA
Como de costume entre as empresa de TIC, o Brasil puxa os negócios da PromonLogicallis na América Latina, com 73% de uma receita que totalizou US$ 484 milhões no ano fiscal de 2013, alta de 8% sobre o exercício anterior.

Em base de clientes, a Logicalis Latin America chegou a 800 empresas.

POR VIR
Para o ano fiscal de 2014, a PromonLogicalis projeta crescimento de 20% na região.

Para tanto, a meta é aumentar o volume de negócios com os clientes existentes, a partir da especialmente da ampliação da participação da venda de serviços, para os setores atendidos.

Nisso, as operadoras devem ter boa fatia com a área de vídeos, por exemplo.

“Outro plano inclui crescimento geográfico, com ampliação da carteira de clientes, especialmente nas regiões Sul e Nordeste do país”, conclui Parreira.

QUEM É
A PromonLogicalis é uma joint venture entre o grupo brasileiro Promon e a Logicalis, provedora internacional de serviços e soluções de TIC.

No mundo, o grupo tem presença na Europa, América do Norte, América Latina, Ásia e Oceania.