O Embraer ERJ-170, usado pela Air France. Foto: Flickr.com/elentir.

Tamanho da fonte: -A+A

A Embraer firmou um contrato de dez anos com a norte-americana PTC para gerenciamento de seus softwares de PLM.

O valor do contrato não foi divulgado, mas o diretor da PTC para América Latina, Hélio Samora, destaca que já dobrou as vendas no país em relação ao ano de 2012.

Já o investimento para atender à demanda chega a US$ 4 milhões ao longo de 15 meses, o que inclui a instalação de um escritório em São José dos Campos, para o qual serão contratados 15 profissionais ainda em 2013, elevando o time para 35 até 2014.

Conforme a fabricante nacional de aeronaves, o processo de seleção do novo fornecedor de PLM iniciou há cerca de um ano.

A empresa adotou, em 2011, uma solução 3D e PLM da Dassault Systèmes para projeto e produção dos jatos executivos Phenom e Legacy 500, a qual seguirá usando.

Para escolher a fornecedora do novo acordo, a Embraer convidou quatro empresas, além da PTC: a própria Dassault Systèmes, SAP, da qual já usa o ERP, mas que não quis participar da disputa, Oracle e Siemens PLM.

"Este projeto nos propicia melhorar a capacidade de projetar, desenvolver e entregar aeronaves", ressalta Mauro Kern, vice-presidente executivo de Engenharia e Tecnologia da Embraer. "A solução da PTC permite a integração em ambiente heterogêneo, um modelo de licenciamento e suporte flexível, alinhado à proteção da propriedade intelectual, reduzindo o TCO”, completa Alexandre Baule, CIO da Embraer.

Selecionada em dezembro passado, a fabricante de software norte-americana que está no Brasil há 16 anos, com sede em São Paulo, aproximadamente cem funcionários e 14 revendedores, atende ao contrato com o respaldo de quem já conta com cerca de 1,2 mil clientes na carteira local, do porte de Volkswagen, Randon, Exército e Marinha.

Na Embraer, o objetivo com o software da companhia é incrementar a área de serviços, que hoje tem fatia aproximada de 10% na receita, que no 9M12 foi de R$ 8,28 milhões líquidos, com lucro líquido de R$ 444 milhões.

A projeção é chegar até 25% nos próximos anos - média de representação da área entre as fabricantes globais de aviões.

Um mercado em que a PTC tem prática. Só este mês, este é o segundo contrato anunciado pela companhia com players do setor aéreo. O primeiro foi com a Eurocopter, maior fabricante mundial de helicópteros.

Outros clientes, como o EADS, grupo de serviços de defesa aeroespacial que inlcui a Airbus, a Astrium, Cassidian e Eurocopter e faturou € 49,1 bilhões em 2011, usa soluções da PTC desde 2008.

A PTC registrou receita líquida de US$ 1,25 bilhão no ano fiscal de 2012, alta anual de 78%, e lucro líquido de US$ 182,863 milhões, 20,17% a mais do que em 2011.

Para o ano fiscal corrente, iniciado em outubro de 2012, a empresa projeta exopansão em torno de 12% a 15% na receita.