Emerson Tobar, chief technical officer (CTO) da Neogrid.

A Neogrid, gigante brasileira de software para gestão de supply chain, migrou parte da sua infraestrutura de data center para a Azure, em um projeto a ser concluído até o final do ano com consultoria da Dedalus.

O projeto também incluiu uma análise visando melhoria de custo no uso da AWS, incluindo  máquinas de pré-produção, produção, homologação e ambiente Kubernetes.

Em nota, a Dedalus não chega a dar muitos detalhes sobre o tamanho do ambiente de TI da Neogrid, que conta com “vários data centers espalhados pelo mundo”. A empresa ainda mantém infraestrutura própria on premise.

A Dedalus ajudou no redimensionamento de máquinas, com possíveis melhorias de uso, mantendo performance e disponibilidade, além de readequação de infraestrutura em ambientes de Kubernetes. 

Também foram feitas recomendações para otimizar os custos que incluíram downsize com pouca utilização, atualização de máquinas e remoção de recursos ociosos.

“A partir das análises realizadas pela Dedalus, um dos ambientes internacionais que tinha 66 máquinas, hoje, já consegue operar com apenas 25. Além desta economia em suas bases no exterior, foi possível mapear e controlar todos os recursos e, ainda, eliminar tudo o que não era necessário, gerando um saving significativo”, afirma Emerson Tobar, chief technical officer (CTO) da Neogrid.

A movimentação recente da Neogrid no tema infra de TI incluiu a venda de um data center em Joinville, inaugurado em 2012 para o grupo de empresas do setor de telecomunicações Brasil TecPar.

Construído pela Neogrid e a Sercompe, uma grande parceira da HPE, o centro tem 300 metros quadrados e padrão de segurança ISO 27001, além de uma rede de fibra óptica na cidade.

Instalado na avenida Santos Dumont, onde estão companhias como Totvs e Neogrid, o centro de dados seria até hoje o maior de Santa Catarina, segundo a Brasil TecPar.

A base de clientes da Neogrid inclui 40 mil varejos, 30 mil indústrias, 5 mil distribuidores, com monitoramento diário de cerca de 2 milhões de produtos ativos. 

Fundada em 2009, a Dedalus tem por carro chefe a intermediação e gestão de contratação de nuvens públicas como AWS, Google e Microsoft, a figura conhecida como "broker".

A Dedalus teve um bom 2019, com um faturamento de R$ 426 milhões, o que representa uma alta de 58%.