IoT

SP: Oscar Freire com lixeiras inteligentes

24/04/2014 14:55

Além de utilizar energia do sol para processar o lixo, o cesto ainda envia um SMS para o dono para avisar que está cheia. 

Além de utilizar energia do sol para processar o lixo, o cesto ainda envia um SMS para o dono para avisar que está cheia. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A região da Oscar Freire, rua de São Paulo conhecida pelas lojas de artigos de luxo, recebeu nessa semana três lixeiras eletrônicas a base de energia solar da americana BigBelly.

Além de utilizar energia do sol para processar o lixo, o cesto ainda envia um SMS para o dono para avisar que está cheia. Há ainda outros dois cestos localizados nas alamedas Tietê e Lorena, próximo a Oscar Freire. Segundo a Folha, cada lixeira da BigBelly pode custar US$ 4 mil.

Os recipiente pretos e com 1,5 metro de altura, são feitos com material reciclável e foram adquiridos pela Associação dos Lojistas dos Jardins, bairro onde se localiza a rua Oscar Freire.

Segundo a fabricante, cada aparelho comporta 12 vezes mais conteúdo que uma lixeira “analógica”. O fabricante afirma que apenas oito horas de sol sobre o painel solar é o suficiente para a lixeira funcionar por um mês inteiro.

Empresa fundada em 2004 no Colorado, a BigBelly atua com um sistema integrado e modular para implantar estações de reciclagem, personalizando-as para a necessidade de cada localidade. 


O sistema fornece em tempo real, até pelo smartphone, as informações das  lixeiras monitoradas pela solução, além de históricos e relatórios que podem ser acessados através de um sistema de gerenciamento baseado em nuvem.

Cidades como Boston, Nova Iorque e Chicago entre outras, já utilizam, em suas ruas, as lixeiras inteligentes da BigBelly.

Veja também

EDUCAÇÃO EMPRESARIAL
Startup SC seleciona para capacitação

Serão selecionadas 20 empresas com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento dos produtos e modelos de negócios.

COMUNICAÇÃO VISUAL
Lumen implanta solução fiscal na Serilon

Mastersaf Smart da Thomson Reuters está sendo usada para gestão.

ENTIDADES
Meurer, da CRP, no conselho da Anprotec

Executivo gaúcho é presidente da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital e diretor do fundo CRP.

REDES
Riverbed liga o turbo no Brasil

Brasil é uma mina de ouro para a empresa de aceleração de redes corporativas.

SUPERA
Ribeirão Preto tem parque tecnológico

Parque de Inovação e Tecnologia recebeu um investimento de R$ 15 milhões com parceria entre USP, Fipase e governos estadual e municipal.

PORRADA DE DADOS
Internet das Coisas: 44 zetabytes em 2020

A prospecção de agência é que mais de 35% de todos os dados poderão ser considerados úteis.

SAÚDE
Tecnologia contra o stress

O Cardioemotion pode ajudar pessoas com problemas de síndrome do pânico, depressão e até hipertensos.