PARA ONDE IR?

Empresas não sabem potencial do 5G

24/05/2022 12:40

IDC aponta que conhecimento sobre o tema ainda está muito ligado à conectividade em devices e escritórios.

Foto: Pixabay.

Tamanho da fonte: -A+A

A transformação que o 5G é capaz de produzir nos negócios ainda não está evidente para o segmento B2B. É o que aponta a prévia de uma pesquisa que está sendo realizada pelo IDC, que já ouviu decisores em mais de 50 empresas no Brasil e 190 na América Latina. 

No estudo, a companhia apresentou 20 casos de uso da tecnologia aos entrevistados e perguntou se eles consideravam cada uma deles relevante ou não para a sua organização.

No Brasil, a identificação majoritária ficou com desdobramentos mais óbvios da nova tecnologia, como conectividade de devices, com 88% apontando esse ponto como relevante, e conectividade de escritórios, com 80%.

Aplicações potencialmente bem mais disruptivas foram as menos reconhecidas. No fim da lista, estão veículos conectados (4%), monitoramento e gestão remota de pacientes (12%), gestão de frotas (18%) e trabalho aumentado com robôs industriais (20%).

Usos como monitoramento de produtos em tempo real (45%), redes privadas mobile (45%) e gestão remota de ativos (51%) ficaram em posições intermediárias.

Na associação ao tema SD-WAN, a maioria das empresas (65%) afirma que o 5G é um grande impulsionador deste tipo de implantação.

Quando questionados sobre a familiaridade com alguns termos tecnológicos relacionados ao espectro, os entrevistados também destacaram pontos ligados à conectividade, como latência, realidade virtual e realidade aumentada e Dynamic Spectrum Sharing (DSS).

Entre os termos mais desconhecidos, ficaram millimeter wave, Multi-access Edge Computing (MEC) e Software Defined Networks (SDN).

Para Luciano Saboia, gerente de pesquisa e consultoria de telecomunicações da IDC Brasil, a causa desse cenário é a falta de informação, pois a comunicação feita pelas companhias provedoras não leva em consideração uma abordagem completa.

“A gente observa que o lado do provimento se comunica com quem contrata os serviços sem materializar como a tecnologia vai transformar determinados negócios, dando exemplos de cases e fazendo uma abordagem com o cliente correlacionando tecnologias. Cada um está levando a sua comunicação de maneira isolada, poucos fazem, então isso não está evidente para as empresas”, explica Saboia.

Em relação a possíveis parceiros ou vendedores para desenvolvimento e implantação da tecnologia nas organizações, a maioria apontou as operadoras de telefonia (41%), seguidas pelos integradores de sistemas (20%) e pelos provedores de internet regionais (12%).

A IDC ainda está na metade da pesquisa de campo, que deve totalizar 400 entrevistas na América Latina.

Para isso, o estudo está ouvindo decisores de tecnologia em empresas com mais de 100 funcionários em verticais como manufatura, serviços, varejo, agronegócio, recursos e finanças. A dispersão geográfica é de acordo com a geração do Produto Interno Bruto (PIB).

Veja também

LOGÍSTICA 4.0
Como a Huawei aplicou o 5G no seu armazém

A companhia melhorou em 25% a eficiência operacional do centro de distribuição brasileiro.

CONEXÃO
Telefónica usa AWS para 5G no Brasil

Projeto aposta em uma arquitetura híbrida, com nuvem em data centers próprios.

WIRELESS
QMC Telecom testa 5G em ambiente indoor

Local escolhido foi o Bossa Nova Mall, shopping integrado ao Aeroporto Santos Dumont.

REDE
Logicalis: dados para 5G com HPE

A marca será um dos fornecedores a compor o portfólio da multinacional.

INTERNET
TIM ativa antenas 5G no Paraná

Curitiba foi a primeira cidade do Sul a receber a internet.

MEDICINA
Hospital das Clínicas tem projeto 5G pioneiro

Iniciativa envolve Claro, Embratel, Ericsson e a NuT.