O SP3, novo data center da Equinix, será inaugurado ainda no primeiro trimestre de 2017. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Equinix, companhia global de serviços de data center e interconexão, lançará em seu novo data center (SP3), em Santana de Parnaíba, uma nova arquitetura de interconexão. 

O Metro Connect ligará o IBX SP2, em Tamboré, ao SP3, em Santana de Parnaíba, e permitirá conexões de alta densidade e com menor custo de transmissão. 

O novo modelo é suportado pelo Waveserver, plataforma escalável de Interconexão de Data Centers (DCI) da Ciena, com capacidade de até 400 Gb/s em sistema compacto de 1 Rack Unit – unidade de medida utilizada para contabilizar o espaço ocupado por um equipamento no rack. 

Nos outros data centers da Equinix no Brasil, o modelo de interconexão é baseado em MPLS (M​ultiprotocol Label Switching​) - um sistema de roteamento que permite que determinadas quantidades de dados sejam encapsuladas, rotuladas e enviadas por meio de um protocolo IP via fibra ótica. 

A nova arquitetura tem base em DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing​)​, uma tecnologia que concentra diversos sinais óticos numa única fibra utilizando diferentes comprimentos de onda para aproveitar todo o potencial do cabo.

Todos os data centers da empresa no país são interconectados, mas este será o primeiro a suportar capacidades de até 100 Gb/s por porta.

“Nos modelos tradicionais, oferecemos interconexão com a cobrança baseada na capacidade. Agora, entre SP2 e SP3, temos todo o potencial da nova arquitetura à nossa disposição, o que nos permite desenvolver um novo modelo de contratação, melhorar a experiência do usuário e garantir uma conexão com mais capacidade para os clientes alocados nos nossos data centers”, explica Nelson Mendonça, diretor de Operações da companhia.

Essa é a primeira implantação comercial na América Latina da plataforma de DCI da Ciena, empresa de tecnologia e estratégia de rede.

“Adicionalmente, o Waveserver da Ciena faz uso eficiente do espaço do data center, enquanto oferece novos modelos de flexibilidade com APIs abertas e alta programabilidade, que garantem ativação simples e rápida com monitoramento completo destes serviços”, explica Patricia Vello, presidente da Ciena no Brasil.      

A nova tecnologia permite que a Equini ofereça dois possíveis níveis de proteção: Protected e Redundant. A primeira permite conexão através de rotas completamente distintas com migração automática para um caminho secundário em caso de interrupção, requerendo apenas uma porta em cada extremidade do sistema. 

O Redundant também oferece rotas distintas, porém com duas portas em cada extremidade. Desta forma, caso um dos equipamentos falhe, existe uma segunda opção, garantindo assim, maior disponibilidade.

O serviço será disponibilizado no primeiro trimestre de 2017, com a inauguração do novo data center em Santana do Parnaíba. A longo prazo, a companhia pretende expandir essa arquitetura de rede para seus outros data centers no Brasil.