Foto: Kelsen Fernandes/ Fotos Públicas

O aplicativo de paquera Tinder afirmou recentemente que o tempo de uso da plataforma aumentou cerca de 50% com o início da Copa do Mundo no Brasil.

Atualmente, os usuários brasileiros permanecem na plataforma cerca de 77 minutos em média por dia, segundo o porta-voz da companhia, Rosette Pambakian. O crescimento se deu graças a Copa do Mundo da Fifa, que desde o começo de junho, tem movimentado estrangeiros por todo o país.

Eventos desportivos e o Tinder parecem andar de mãos dadas. Lançado a 18 meses, o aplicativo viu seu número crescer também durante as Olimpíadas de Inverno de Sochi em fevereiro desse ano.

Disponível para iOS e Android, o aplicativo contabiliza mundialmente 6,1 bilhões de avaliações de perfis no mundo e mais de 75 milhões de combinações, desde o seu lançamento em 2012. Segundo os desenvolvedores, a base de usuários da ferramenta cresce cerca de 150% ao mês.

A ferramenta se baseia na geolocalização e nos interesses em comum usando como base o perfil do usuário no Facebook para pessoas se conectarem e se conhecerem, segundo explica Justin Mateen, co-fundador e CMO do Tinder.

Em abril desse ano, a plataforma registrou a marca de 10 milhões de usuários no Brasil. O crescimento era de 2% ao dia. Só em dezembro de 2013 a janeiro desse ano, foram 1 milhão de downloads. 

Com esses números, o Brasil ficou entre as três maiores bases de usuários do Tinder no mundo, atrás do Estados Unidos e do Reino Unido.

Segundo informações do Business Insider, o Tinder não é o único a crescer no país. O Grindr, aplicativo de namoro baseado em localização focado em homossexuais e bissexuais, também mostrou fôlego. Em comparação com o início de junho, o app teve crescimento de 31% desde o início do mundial.

Embora não existam dados exatos sobre o mercado de apps no Brasil, o país se destaca no número de smartphones - já é o quarto do mundo em tamanho da base de aparelhos, com 70 milhões - e abocanha uma fatia considerável no mercado de aplicativos, quem em 2013 já movimentou cerca de R$ 72 bilhões, segundo a consultoria AppNation.

Além disso, segundo a pesquisa Consumidor Móvel 2013, realizada pela Nielsen, para o brasileiro, a função prioritária de um smartphone é acesso às redes sociais.

Com o fluxo de turistas, o país espera movimentar em torno de US$ 3 bilhões para a economia, com cerca de 3,7 milhões de pessoas que passam e passarão pelo país durante o torneio.