FISL 13

Banrisul: upgrade no extrato com Java

25/07/2012 13:28

Desde março, o Banrisul exibe os extratos via intranet e internet em Java, evoluindo do CICS (do inglês Customer Information Control System), uma espécie de monitor de transações diversas usado originalmente em sistemas operacionais z/OS e z/VSE dos mainframes da IBM.

A migração, realizada ao longo do último ano, também acarretou a troca do zOS pela plataforma Linux, conforme explica Fábio Becker, analista do banco.

Becker, um dos pioneiros em Linux no Banrisul. Foto: Baguete Diário

Tamanho da fonte: -A+A

Desde março, o Banrisul exibe os extratos via intranet e internet em Java, evoluindo do CICS (do inglês Customer Information Control System), uma espécie de monitor de transações diversas usado originalmente em sistemas operacionais z/OS e z/VSE dos mainframes da IBM.

A migração, realizada ao longo do último ano, também acarretou a troca do zOS pela plataforma Linux, conforme explica Fábio Becker, analista do banco.

Um projeto que envolveu a TI do Banrisul em um esforço de atualização de um dos serviços mais procurados pelos cerca de 3 milhões de clientes do banco, que agora é “menos engessado”, garante o especialista.

“Saber quanta grana tem é fundamental para qualquer pessoa, e precisamos entregar a melhor experiência possível”, afirmou Becker durante palestra no Fisl 13, em Porto Alegre, nessa quarta-feira, 25. “O CICS exibe uma lista de dados dura”, completou.

EXTRATO JAVA
Com o Java, cada item do extrato pode ser um objeto, explicou o analista.

Com isso, o banco ganha possibilidades como a criação de extratos mais personalizados e integrados.
“Por hora, isso é só uma ideia, mas feita a mudança na linguagem, as mudanças ocorrerão aos poucos”, prevê Becker.

COMO FUNCIONA
Atualmente, quando um usuário acessa os dados da sua conta no home banking, por exemplo, a requisição cai em uma máquina ACE da Cisco.

De lá, vai para uma estrutura VMware, onde os dados são consultados.

“É uma estrutura duplicada de dados, que nos dá liberdade para trocas ou manutenções, caso algum dia queiramos mudar o ambiente de mainframe”, destacou o analista.

No mainframe, o extrato roda em servidores RedHat 6.0, em um IBM Z/VM, que se comunica com o z/OS via hiper sockets – tecnologia descrita por Becker como uma rede dentro do chip.

A comunicação pode ser direta entre o sistema que roda o extrato e o Z/OS, ou passar por um servidor DB2 Connect RedHat 5.2.

“Mas lá no usuário só chega o saldo, bonitinho”, finalizou o palestrante.

CASAMENTO LONGO
A mudança é mais um dos espaços em que o Linux se prolifera dentro do mainframe do Banrisul.

Há mais de 10 anos na casa, Becker diz que o banco foi o primeiro do mundo a colocar Linux num mainframe,em uma época em que nem a IBM tinha suporte ao software livre nas grandes estruturas de TI.

NAS COXAS

“Eu tive que colocar a distribuição em uma fita de 34 por 20 e fazer o boot da máquina pela fita. Foi  tudo feito no pioneirismo mesmo, meio desacreditado pelo mercado, mas com a autonomia necessária dentro do banco”, relembra Becker.

Hoje, são 30 servidores na instituição gaúcha, com 20 em produção.

Nas contas de Becker, o número aparentemente pequeno na verdade pode representar dezenas de servidores rodando com o Linux, e ajuda a manter um bom desempenho.

Somente nas funções de extrato, por exemplo, são 500 mil acessos em horas de pico, com 1 milhão de transações.
“Isso sem consumir 10% da capacidade”, garantiu Becker.

Para assegurar a redundância, a empresa mantém dois sites – um na rua Caldas Júnior e outro na Siqueira Campos, ambos no Centro de Porto Alegre, tudo com Linux.

“Além de economia em licença, isso agrega estabilidade e segurança para a nossa operação”, finaliza o analista.

Veja também

Banrisul tem grau máximo na S&P

Cerca de dois meses depois de obter o rating máximo da agência classificadora de risco de crédito Moody’s, o Banrisul recebeu o grau de investimento 'BBB-' em escala global da  Standard & Poor's.

Na escala nacional brasileira, a classificadora colocou o banco no nível mais elevado possível: brAAA.

O presidente do Banrisul, Túlio Zamin, destaca que a Standard & Poor's divulgou, pela primeira vez, a classificação Investment Grade do Banco.

Banrisul: renovação do quadro à vista

Com média de idade de 43 anos no seu quadro funcional, o Banrisul deverá começar, no curto prazo, a repor sua equipe de colaboradores.

Dados divulgados pelo banco na última quarta-feira, 02, apontam 9.345 trabalhadores e 2.065 estagiários. Entre os membros do quadro, 30% têm mais de 50 anos, e o tempo médio de serviço é de 19 anos.

LICITAÇÃO MICROSOFT
Caixa: open source não foi satisfatório

Banco divulga nota explicando pregão eletrônico para compra de R$ 112 milhões em tecnologia Microsoft e dá um banho de água fria na comunidade de software livre.

Caixa disponibiliza software livre Minuano
A Caixa Econômica Federal assinou na quarta-feira, 24, durante o Fisl 10, uma carta de intenções para disponibilização do Minuano, software desenvolvido pelo próprio banco com base em Linux.
Nossa Caixa migra para BrOffice.org
O Banco do Brasil começou a implantar ferramentas de software livre para usuários internos do Banco Nossa Caixa (BNC).

O projeto começou com a implantação do pacote de produtividade de código aberto BrOffice.org em 16 mil máquinas do BNC, informa o ComputerWorld.

A implantação começou em dezembro de 2009 e o pacote já foi instalado em todas as estações do BNC.