Tecnopuc, Tecnosinos e Feevale Techpark assinaram um acordo de cooperação. Foto: Bruno Todeschini/PUCRS.

Os parques tecnológicos Tecnopuc, Tecnosinos e Feevale Techpark, ligados às universidades gaúchas PUC-RS, Unisinos e Feevale, assinaram um acordo de cooperação na manhã desta quinta-feira, 25. 

A parceria tem como focos principais o intercâmbio de startups e a internacionalização dos parques, sediados em Porto Alegre, São Leopoldo e Novo Hamburgo, esses últimos dois municípios na região metropolitana da capital.

Com o acordo, os representantes dos parques em missões internacionais passam a apresentar as organizações como um ecossistema de inovação maior, com três ambientes consolidados e mais de 250 empresas.

É uma mudança na relação dos parques gaúchos, principalmente entre o Tecnopuc, considerado o pioneiro entre os parques brasileiros, e o Tecnosinos, fundado logo a seguir no começo dos anos 2000.

Ao longo dos últimos anos, as instituições disputaram investimentos em algumas ocasiões, como no caso do centro de desenvolvimento da SAP, hoje empregando quase 1 mil pessoas em São Leopoldo. 

Ambos tem perfis parecidos, com forte presença de multinacionais de TI (Dell e HPE, no caso do Tecnopuc, SAP no caso do Tecnosinos) empresas locais de porte e uma série de organizações menores em incubadoras.

O Feevale Techpark tem um perfil um pouco diferente, tendo sido criado em um regime de governança compartilhada entre a Feevale e prefeituras da região. A universidade só assumiu controle total em 2015. O parque tem uma ênfase maior em organizações de áreas como saúde, biotecnologia e automação.

“A ideia é criar ações práticas específicas para que a gente apresente essa região e o potencial que ela tem, estimulando a atração de investimento para o estado e criando condições para que as nossas empresas abram mercado fora do Brasil”, explica Rafael Prikladnicki, diretor do Tecnopuc.

Além de ampliar a imagem dos parques, o acordo consolida uma visão que já acontece no exterior.

“Em eventos internacionais, não somos necessariamente vistos como Feevale, PUC, ou Unisinos, mas sim como o Brasil, ou às vezes como o Sul do Brasil. Essa parceria nos permite atuar como um ecossistema mais forte, que já é como muitos nos enxergam”, reforça Cleber Prodanov, pró-reitor de inovação da Feevale.

Entre 2011 e 2014, durante o governo Tarso Genro (PT), Prodanov esteve à frente da atualmente extinta secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, posição na qual participou de diferentes missões de negócios gaúchos.

Antes de assumir a SCTI, no entanto, Prodanov fez carreira na Feevale, onde entrou como professor ainda em 1995.

Outra frente de atuação do acordo está ligada às startups instaladas em cada organização.

“Empresas do Tecnopuc que precisam de algum apoio, serviço ou interação com empresas de outros parques, por exemplo, terão essa possibilidade de maneira formalizada. Isso já acaba acontecendo atualmente, mas agora essa prática será reforçada”, explica Prikladnicki.

O convênio reúne os parques mais destacados do ambiente de inovação do Rio Grande do Sul, vistos também como referência nacionalmente. 

Tanto o Tecnosinos quando o Tecnopuc já receberam prêmios da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), como melhor parque e melhor incubadora.

Segundo Jorge Audy, presidente da Anprotec, o acordo assinado é pioneiro na área de cooperação entre parques.

Audy, atualmente fazendo um pós-doutorado na China, foi um dos principais articuladores do Tecnopuc e de políticas de incentivo ao setor de tecnologia gaúcho enquanto pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento da PUC-RS.

Mesmo com o grande número de parques tecnológicos do Rio Grande do Sul (hoje são 40, somando os consolidados e os que estão em fase de instalação), os três que assinaram o convênio são os únicos do estado que fazem parte da Land2Land, plataforma da Anprotec de suporte para a internacionalização.

“Como temos ações específicas de internacionalização nesse programa, unimos esses três parques inicialmente, mas o plano é atrair mais representantes na medida que outros parques passem a entrar de forma mais efetiva em projetos para o exterior”, completa Prikladnicki.

Em outras áreas, o Tecnopuc tem parcerias com outras organizações. Em junho, a PUCRS e a UFRGS assinaram convênio de cooperação focado em empreendedorismo. 

Além disso, as duas universidades estão trabalhando juntas para instalar um parque tecnológico no Quatro Distrito de Porto Alegre, antiga área industrial hoje alvo de uma iniciativa de revitalização comandada pela prefeitura.