Foto: divulgação.

O Grupo RCI Brasil, braço financeiro das marcas Renault e Nissan no país, apostou na solução da Privacy Tools, gaúcha especializada no tema privacidade e segurança de dados, para se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Iniciado ainda em 2018, o projeto contou com a contratação de empresa de consultoria especializada, criação de squads internos e treinamento, além da definição do DPO, o encarregado pelo tratamento de dados pessoais do grupo. 

A plataforma que mais atendeu às necessidades foi a Privacy Tools, que entregou ferramentas para gestão de cookies, portal de atendimento dos titulares, privacidade em aplicativos, data mapping e gestão de consentimento, além da integração com diversos softwares, inclusive o Salesforce, para reduzir ao máximo o trabalho manual.

“Escolhemos uma empresa nacional, que tivesse muita flexibilidade para customizações e que pudesse nos dar um atendimento diferenciado na construção do melhor modelo de conformidade para o tema de privacidade”, destaca Maick Dias, DPO do Grupo RCI Brasil.

A implantação incluiu as quatro empresas do grupo no país: o Banco RCI Brasil, que fornece soluções de investimento e financiamento, a administradora do consórcio, a corretora de seguros e a RCI Brasil Serviços e Participações, que abrange o serviço de locação de veículos por assinatura do grupo.

Fundado em 1974 na França, o Banco RCI está presente em mais de 36 países em cinco continentes. No Brasil desde 2000, é responsável pelo financiamento de mais de um terço das vendas da Renault e da Nissan aos consumidores finais.

A Privacy Tools é acelerada pela Obr.global, uma consultoria de internacionalização de negócios liderada por Robert Janssen, consultor nessa área para a Softex há duas décadas, membro de diversos grupos anjos do Vale do Silício e vice-presidente de relações internacionais da Assespro.

Além do Banco RCI, a startup já tem clientes como Rede D’Or, Grupo E-sales, CRM Piperun, Grupo RBS, Senff, Farmácias São João e Synnex Corporation.

Os fundadores são Aline Deparis e Marison Souza, ambos também criadores da Maven, uma companhia especializada em ferramentas de publicação digital que com o tempo evoluiu para um grupo de empresas que inclui também a Trubr, focada em blockchain.

Depois de algumas idas e vindas, a LGPD entrou em vigor em setembro do ano passado. A lei prevê multas de até R$ 50 milhões, ou 2% de seu faturamento bruto anual (o que for maior), para vazamentos de dados, o que deve aumentar muito o interesse pelas soluções da Privacy Tools.