NADA MAL

Stefanini cresce 21%, fatura R$ 4 bi

26/01/2021 12:08

Com pandemia, grande contrato e aquisições, empresa obteve um dos melhores resultados nos últimos anos.

Marco Stefanini, fundador e CEO Global do Grupo Stefanini.

Tamanho da fonte: -A+A

A Stefanini faturou R$ 4 bilhões no ano passado, resultado que representa um crescimento de 21% em relação a 2019 e é um dos melhores da empresa nos últimos anos.

O crescimento foi o dobro do registrado em 2019, e o triplo do registrado em 2018 e 2017. 

A companhia vem acelerando desde 2016, quando o resultado foi de crescimento zero, mas ainda está longe dos seus anos dourados, como 2011, quando chegou a registrar uma alta de 68% em um trimestre.

A avaliação da Stefanini é que a empresa ficou entre as vencedoras do desafio imposto pelo coronavírus.

"A pandemia acabou acelerando um processo de transformação digital que as empresas já haviam iniciado. Era uma questão de sobrevivência para muitos setores, que tiveram que mudar seu modelo de negócios da noite para o dia. Nos aproximamos ainda mais dos clientes para entender como poderíamos auxiliar em suas necessidades”, afirma Marco Stefanini, fundador e CEO Global do Grupo Stefanini.

Stefanini destaca que a companhia fechou em 2020 o seu “maior contrato nos Estados Unidos”, o que, tendo em conta que o dólar está em pico histórico, provavelmente contribuiu para os resultados da empresa em reais.

Outra fonte adicional de crescimento foram as aquisições. Só em 2020, o Grupo Stefanini adquiriu seis empresas: a Mozaiko, de soluções para o varejo; a agência de marketing digital W3haus; a empresa de soluções em pagamentos eletrônicos Logbank; a romena Cyber Smart Defence e a consultoria NI IT, especializada em serviços na nuvem, além de duas unidades de software da Diebold.

“Essa última é uma das maiores e mais importantes aquisições dos últimos cinco anos, pois complementa nossa oferta de banking”, destaca Stefanini, destacando que destinará R$ 500 milhões para novas aquisições até 2022.

Atualmente, o segmento financeiro é o maior do grupo e representa 30% do faturamento. A Stefanini tem planos para que a unidade cresça 50% nos próximos dois anos, embalada por novidades como o PIX e a tendência de aplicações de open banking.

De acordo com Marcelo Ciasca, CEO da Stefanini Brasil, outras três grandes apostas do grupo para este ano serão cibersegurança, o fortalecimento do ecossistema de marketing digital, com a unificação das ventures que atuam neste segmento, e a ampliação de ofertas direcionadas à Indústria 4.0, com foco também em sustentabilidade. 

"Na vida de empreendedor, a gente aprende que precisa ter uma oferta forte, no lugar certo e na hora certa para promover uma experiência relevante para o cliente. Nossa expectativa é que haja um grande salto na implementação de soluções digitais ao longo deste ano", conclui Stefanini.

Veja também

NOMES
Barradas, ex-Stefanini, assume Sul na Think IT

Executivo experiente vai fomentar negócios na região Sul do país, com a meta de dobrar o faturamento.

MAIS UMA
Stefanini compra N1 IT

Integradora adquirida trabalha com Microsoft, Adobe e Kaspersky.

SAQUE
Stefanini compra softwares da Diebold Nixdorf

Negócio é o maior em cinco anos na empresa e reforça a oferta na área financeira.

COMBUSTÍVEL
Ipiranga: aplicativo Abastece Aí com Stefanini

Empresa contratou a solução Banking in a Box, da Orbitall, para dar suporte ao novo app do programa.

MÁQUINAS
Alejandro, ex-Stefanini, assume Positivo As a Service

Aluguel de equipamentos é um negócio em alta pelo coronavírus.

MEIA VOLTA
Stefanini desiste de cabine polêmica

Stefanini@Home feriu sensibilidades e gerou uma tempestade de comentários negativos.

QUALIDADE
Solutis: CMMI 3 em dois meses

Empresa conquista certificado de desenvolvimento de software na metade do tempo previsto.

SERVIÇOS
Accenture compra Organize

Companhia é uma das maiores parceiras da ServiceNow no Brasil.

AQUISIÇÃO
Stefanini compra Logbank

Fintech fará parte da Orbitall, ampliando a oferta de serviços financeiros para o mercado de PMEs.