Em SC, 548 vagas de TIC devem ser abertas ao longo deste ano. Foto: Gustavo Frazao/Shutterstock.

O Mapeamento de TIC 2016, levantamento anual do Programa Geração TEC de Santa Catarina, aponta que 548 vagas devem ser abertas pelo setor ao longo deste ano. As oportunidades estimadas para 2016 equivalem a 30% das vagas previstas pelas empresas participantes em 2015, que ficaram em 1.785.

Representantes de 280 empresas participaram do mapeamento. Cerca de 35% das 548 são para contratações imediatas e o restante futuras. A maior quantidade de vagas levantadas está em Tubarão (152), Florianópolis (141), Joinville (111) e Criciúma (48).

Em 2016, o número de empresas participantes da consulta aumentou. Foram 69 a mais do que as 211 organizações que se manifestaram em 2015. 

No Mapeamento de TIC, as empresas respondem a um questionário entre os meses de janeiro e março, fornecendo dados sobre vagas e áreas de concentração.

Para o presidente da Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (ACATE), Guilherme Bernard, apesar de o setor continuar em crescimento no estado, o ritmo de abertura de vagas diminuiu em virtude dos efeitos da crise econômica. 

“Ainda assim, centenas de empresas de TI seguem crescendo, uma vez que a tecnologia é uma ótima alternativa para aumentar a eficiência, reduzir custos e abrir novas oportunidades em cenários adversos e mercados mais tradicionais”, destaca Bernard.

O Programa Geração TEC, iniciativa do Governo do Estado coordenada pela Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), apoia as empresas de tecnologia do Estado na formação profissional, com o objetivo de atender as demandas do mercado e oferecer profissionais qualificados na área de TIC.

 Desde 2011, os cursos do Geração TEC formaram o equivalente a 30% do total de profissionais da TI catarinense. São 6.156 egressos em cursos de formação profissional e gestão empresarial.

“O setor tecnológico diminui o ritmo, mas continua abrindo vagas. Empresas estabelecidas estão crescendo menos e fechando postos de trabalho por causa da grave crise que atravessamos. Em contrapartida, o movimento das startups, que têm crescimento acelerado, absorvem essa mão de obra excedente e até geram mais oportunidades”, avalia o presidente da Rede Catarinense de Inovação (Recepeti), Rui Luiz Gonçalves.

O setor de tecnologia de Santa Catarina cresceu 15% em 2015, segundo estimativa da Acate. O resultado fica na frente da estimativa do IDC para o mercado brasileiro como um todo, que ficou com alta de 7,3%

Na visão da Acate, o resultado positivo em 2015 foi puxado pelo alto crescimento de setores de TI, como softwares para serviço (SaaS), computação em nuvem, marketing digita,l big data, fintechs e inovações nas áreas de saúde e agronegócios. 

Além do crescimento recente, as condições do estado são vistas como favoráveis para o empreendedorismo na área tecnológica.

Florianópolis ficou em segundo lugar como o município mais empreendedor do país (atrás apenas de São Paulo) em pesquisa feita pela Endeavor, devido a quesitos como inovação e capital humano. 

O mesmo levantamento colocou Joinville em nono lugar (à frente de capitais como Rio de Janeiro) e Blumenau na vigésima colocação.