O que faz uma marca ser influente?

Tamanho da fonte: -A+A

Google, Apple, Microsoft e Facebook apareceram, nessa ordem, como as empresas mais influentes no Brasil, segundo a pesquisa Thought Leaders 2012 da agência de propaganda Ideal e da consultoria britânica The Leadership Group divulgada nesta quarta-feira, 26, em São Paulo.

É a primeira edição do levantamento no país. Foram ouvidos um grupo não revelado de 200 “formadores de opinião” no  governo, empresas, mídia, ONGs e acadêmicos.

Foi a primeira vez na história da pesquisa que quatro empresas do mesmo segmento foram as principais referências de reputação locais.

O levantamento foi criado em 2007 no Reino Unido e é feito desde 2010 nos Estados Unidos e  do ano passado na Índia.

A receptividade do Google entre os brasileiros é muito maior do que nos outros países por onde o estudo já passou.

Segundo o estudo, para 80% dos entrevistados, o principal benefício que uma empresa tem ao ser considerada líder de influência é a confiança das pessoas.

Para Eduardo Vieira, um dos sócios-fundadores da Ideal, um fator que chamou muito a atenção na pesquisa foi a ausência de empresas brasileiras em posições de liderança.

Entre as top 20, somente sete são locais: Petrobras, Boticário, Vale do Rio Doce, Natura, Banco do Brasil, Correios e TAM

“É um forte indício de que as companhias verde-amarelas não são tão eficientes em lidar com sua reputação, e influenciar seus mercados como as concorrentes internacionais”, observa Vieira.

Nos índices da Europa, EUA e Ásia, a presença de companhias locais foi muito maior, com pelo menos metade do ranking.

Detectou-se ainda a significativa presença do governo no ranking. Das sete empresas brasileiras entre as top 20, três são estatais – Petrobras, Banco do Brasil e Correios – e Vale tem um forte componente estatal.

“Trata-se de um fator inédito nas pesquisas realizadas pela TLG no mundo. Em outros países, a presença de companhias estatais é ínfima”, diz o CEO da TLG, Malcolm Gooderham.

DE FORA
Quem ficou de fora? – o Twitter e a Amazon, com excelente desempenho nos demais índices, não tiveram nenhuma representatividade no estudo brasileiro.

Nos EUA e na Europa, o Twitter está entre as top 10 empresas mais influentes. Caminho semelhante segue a Amazon, que também é destaque nos três rankings globais de Thought Leadership.

De acordo com os organizadores, é uma demonstração de que, mais do que ter uma marca forte, os formadores de opinião brasileiros valorizam a presença local na hora de medir a influência de uma empresa.

CONSULTORIAS MAL
Outra conclusão do estudo que contrasta com os resultados de outros países onde o índice foi realizado é a pouca representatividade das consultorias entre os formadores de opinião brasileiros.

A McKinsey & Co. ficou em 96o no ranking. Nos Estados Unidos, Reino Unido e Índia, onde a McKinsey ficou entre as top 20 e o conhecido “big 4”, composto pelas empresas Deloitte, E&Y KPMG e  PwC finish ficaram pelo menos entre as top 50.
 
Confira o ranking das 20 empresas mais influentes do Brasil:

1. Google
2. Apple
3. Microsoft
4. Facebook
5. Petrobras
6. Nestlé
7. Boticário
8. Sony
9. Visa
10. Coca-Cola
11. Volkswagen
12. Vale do Rio Doce
13. Nike
14. Natura
15. Honda
16. Banco do Brasil
17. Correios
18. Mastercard
19. TAM
20. McDonald’s

As 10 empresas brasileiras mais influentes, segundo o estudo:
1. Petrobras
2. O Boticário
3. Vale
4. Natura
5. Banco do Brasil
6. Correios
7. TAM
8. Itaú-Unibanco
9. Bradesco
10. Petróleo Ipiranga