Roberto Guerra, diretor geral da Inteligência de Negócios. Foto: Divulgação.

A Vitopel, uma dos maiores fabricantes de BOPP (polipropileno biorientado) do mundo, adotou o sistema de BI da Qlik com apoio da Inteligência de Negócios. 

Para integrar o trabalho de seus mais de 500 colaboradores na compreensão de todos os elos da cadeia de valor das embalagens BOPP, a Vitopel atua conta com um centro de pesquisa e desenvolvimento que busca de métodos inteligentes para a tomada de decisões.  

“Tínhamos a ideia de desenvolver um projeto próprio, pois nossa ferramenta de BI era bastante limitada. Foi então que propus desenhar e implementar consultas de QlikView, o que aconteceu de maneira rápida e eficiente”, comenta César San Roman, gerente de TI da Vitopel no Brasil.

Com a ferramenta, as áreas beneficiadas, que antes tinham apenas um profissional dedicado à criação de reports, passaram a economizar cerca de 200 horas mensais para a realização de processos e controles. Sem o QlikView, a função demandava duas horas diárias de trabalho. 

“Desde o início do uso do software, observamos a maior consolidação de informações na empresa, além do benefício de se ter um banco de dados único, o que alinhou todas as nossas áreas”, completa o gerente. 

A integração total da tecnologia na organização aconteceu em três meses, incluindo o treinamento de funcionários, em parceria com a Academia IN, a adaptação à ferramenta e a criação de indicadores para o negócio. 

Composta por três plantas, a Vitopel teve cinco áreas com profissionais capacitados – industrial, comercial, financeira, supply e S&OP, e 60 licenças adquiridas. No total, são cerca de 20 usuários do Qlikview, incluindo a diretoria. 

Com matriz localizada em São Paulo, a Inteligência de Negócios atua no Brasil desde 2004 e conta com filiais em Porto Alegre, Recife, Salvador, Pará e Brasília. 

Para 2016, a metade da IN é elevar a receita em 30%, atingindo R$ 50,7 milhões. Ao todo, a IN tem mais de 500 clientes. 

As outras duas distribuidoras da Qlik no Brasil, a catarinense Toccato e a paulista Nórdica, tem cerca de 600 e 500 clientes, respectivamente. A IN é a única a abrir números de faturamento.