Paschoal D’Auria, líder de Analytics da IBM Brasil. Foto: Divulgação.

A IBM lançou o Legal Cognitive em parceria com a Finch Soluções, empresa de tecnologia para a automação de processos jurídicos. A solução foi criada a partir do Watson, solução de computação cognitiva da IBM.

O sistema para o mercado judiciário dá suporte a profissionais do ramo em análises de documentações.

Além do Watson, a solução conta com a tecnologia e componentes de inteligência da Finch. 

Com o Legal Cognitive é possível analisar semanticamente todo o conteúdo de um documento jurídico e, com isso, fazer análises de probabilidades, comparações com conteúdos de ações similares, tendências jurisprudenciais e avaliação de situações de fraudes, entre outras necessidades que ocorrem dentro de uma ação judicial. 

De acordo com a IBM, a proposta é que a plataforma funcione como uma espécie de assistente virtual que torna todo o processo de uma ação mais rápido e eficaz.

“Utilizando a plataforma, um advogado ou gestor jurídico pode criar estratégias do setor com mais propriedade como, por exemplo, acordos ou defesas frente à litigância ou simplesmente entender o motivo pelo qual ações estão sendo julgadas como procedente (ganho) ou improcedente (perda) frente ao juiz ou região”, esclarece o diretor executivo da Finch Soluções, Armando Buchina.

O líder de Analytics da IBM Brasil, Paschoal D’Auria, explica que a solução foi construída sob padrões globais da IBM. 

“Esta plataforma nos permitiu explorar largamente os atributos de nossa tecnologia de Analytics. Tiramos proveito inclusive da inteligência cognitiva do IBM Watson e validamos todos os aspectos de segurança e robustez que o setor jurídico necessita”, afirma. 

A solução conta com os componentes técnicos das soluções IBM Cognos Analytics (solução de BI), IBM Case Manager (gerencia casos integrando informações, processos e pessoas) e IBM Datacap (para captura de documentos e extração de dados), além de uma aplicação pré-construída e recursos de análises de dados da Finch.

A Finch Soluções nasceu a partir de um spin off da área de tecnologia da JBM Advogados. A empresa possui soluções específicas para o setor jurídico, como sistemas de controle de processos, automações com processos eletrônicos dos tribunais brasileiros e serviços de apoio no modelo de BPO, como o de diligências, cadastros, digitalização, entre outros.

Com o lançamento de uma solução específica para o setor jurídico, a IBM passa a explorar novos segmentos com o Watson no Brasil. Por enquanto, o setor financeiro é o que mais tem explorado as possibilidade do sistema cognitivo no país.

Enquanto o Bradesco foi o primeiro cliente da solução na América Latina, o Banco do Brasil divulgou no CIAB, em junho, a criação de um centro de competência em computação cognitiva e um assistente inteligente para o app de internet banking.

A IBM não revela outros clientes do Watson no Brasil ou projeta metas para a solução nos próximos anos.

“Vemos com muita força toda a parte de call center e empresas de telecomunicações, pela questão de atendimento, mas também áreas como advocacia”, declarou Patrícia Fusaro, líder para Soluções Cognitivas da IBM, em entrevista ao Baguete no início de setembro.

O Watson foi lançado pela IBM em 2014, a partir de um investimento de US$ 1 bilhão da companhia. Hoje, há recursos da plataforma de computação cognitiva disponíveis em sete idiomas, inclusive português.

A IBM investiu intensamente na área de saúde após lançar o sistema. Neste ano, a empresa adquiriu a Truven Health Analytics, fornecedora de dados analíticos e insights de saúde em nuvem, por US$ 2,6 bilhões.

A Truven foi a quarta aquisição de uma empresa de saúde pela IBM desde o anúncio da unidade Watson Health. A companhia já investiu mais de US$ 4 bilhões em compras desse mercado, nas companhias Phytel, Explorys e Merge Healthcare.