A Turbi oferece carros para alguel por meio de um aplicativo. Foto: Divulgação.

A Turbi, que oferece carros para alguel por meio de um aplicativo, acaba de receber um aporte da Domo Invest no valor de R$ 4 milhões.

Com a ferramenta da Turbi é possível selecionar três marcas de veículos diferentes, todos automáticos, disponíveis inicialmente na cidade de São Paulo.

“Acabamos de completar o nosso primeiro ano de operação e vimos a nossa base de clientes crescer 74%, em média, por mês. Nosso faturamento também vem subindo 30% a cada 30 dias. O gargalo de mobilidade na capital paulista é enorme e, com o nosso modelo de negócio, pretendemos tirar cerca de 12 carros da rua para cada veículo disponibilizado”, relata Diego Lira, CEO da Turbi.

A startup é inspirada pela Zipcar, fundada por duas estudantes do MIT no ano 2000. O time da Turbi conta, além de Lira, com os Rafael Gibrail (ex-Mercado Livre) e Thiago Mendonça (ex-Alelo).

Com a chegada do novo recurso, a Turbi apostará, neste segundo semestre, na expansão de sua frota em novos bairros da capital paulista. 

Atualmente, as três as categorias carro oferecidas são HB20, Nissan Kicks e Mini Cooper S. Os veículos podem ser retirados e devolvidos, por intermédio do app, em estacionamentos, hotéis e espaços de coworking. 

A startup conta hoje com 50 mil downloads de seu aplicativo e mais de 5 mil corridas realizadas.

“Junto com o Uber e a 99, veio uma necessidade enorme de repensar a mobilidade urbana, estamos atentos a isso e acreditamos que a Turbi tem um papel fundamental para atuar junto a outras modalidades de transporte, permitindo, de fato, quebrar a necessidade da posse de um automóvel”, explica Gabriel Sidi, sócio da Domo Invest.

A Domo Ventures tem foco em negócios de cunho tecnológico com atuação B2C ou B2B2C. 

Os sócios da Domo Invest participaram de mais de 50 investimentos e transações fusões e aquisições ao longo dos últimos 10 anos. Um dos nomes envolvidos é o de Rodrigo Borges, co-fundador do Buscapé. 

Em 2017, a empresa lançou seu primeiro fundo, com recursos de R$ 100 milhões para investir em até 20 startups. O fundo foi bancado com dinheiro captado junto a famílias milionárias do país, incluído Alfredo Setubal, presidente da Itaúsa.