Criminosos se aproveitam da imprudência do usuário. Foto: flickr.com/photos/@N07

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulgou que em 2012, as fraudes eletrônicas devem representar um rombo de aproximadamente R$ 1,4 bilhão aos bancos do país. Para a instituição, o comportamento do cliente é o principal fator de ocorrências das fraudes.

O foco principal das ocorrências estão nas transações por cartões e pela internet, de acordo com Marcelo Camara, diretor da Comissão de Prevenção a Fraudes da Febraban, em matéria da Computerworld.

Para o diretor, atualmente os equipamentos estão mais seguros, com programas avançados de proteção, com configurações e atualizações constantes. A imprudência dos usuários acaba ocasionando boa parte das fraudes.

"O bandido aborda o elo mais fraco", dispara.

Boa parte dos ataques partem de e-mails de remetentes duvidosos, com algum assunto curioso, que vai exigir o clique em uma figura ou link, para assistir um vídeo, ver uma foto ou para acessar outro site.

Ao clicar no link malicioso, é instalado um programa espião no computador, que irá identificar a senha do usuário no próximo acesso ao site do banco.

“O brasileiro é muito curioso, é colocar veja a sucuri engolindo o garoto que as pessoas clicam”, disse Camara.

Outros comportamentos que podem colocar em risco a segurança de uma transação bancária está o de não manter o sistema operacional do computador, o navegador e o antivírus atualizados, além de abrir com frequência e executar arquivos de remetentes duvidosos.

De acordo com a Febraban, 24% de todas as transações bancárias são realizadas pela internet, ocasionando um investimento anual de R$ 9,2 bilhões dos bancos para combater os crimes virtuais.

MEDIDAS

Segundo a Febraban, a recomendação é de que o usuário sempre preste atenção ao fluxo de navegação dos sites bancários, em sua disposição visual e a sequência em que as senhas são exigidas.

A entidade também recomenda a alteração periódica das senhas cadastradas.