Meg Whitman. Foto: divulgação.

 

Depois de anunciar a separação de suas divisões de computação pessoal e soluções corporativas, a HP decepcionou investidores ao abrir seus resultados do quatro trimestre de 2014, com uma queda de 2% em receita em relação ao período no ano passado.

A HP fechou o trimestre com um faturamento de US$ 28.4 bilhões, abaixo da expectativa de US$ 28,7 bilhões. A empresa fechou o ano fiscal de 2014 com lucro líquido de US$ 5,01 bilhões, queda de 2,33% na comparação com o lucro do ano fiscal anterior, de US$ 5,11 bilhões.

Entretanto, os prospectos de faturamento anual fecharam dentro do esperado, com um total de US$ 112 bilhões.

No balanço, a divisão de PCs continuou sendo o destaque, com um aumento de 4% nas vendas, puxado principalmente por compra de computadores entre clientes corporativos. A informação é do Financial Times.

Após divulgar os resultados, a CEO da HP Meg Whitman destacou que o desafio de convencer o mercado de que a divisão da empresa foi algo bom ficou nas mãos dos próprios consumidores.

Segundo analistas, com a divisão as duas empresas terão mais autonomia e perfis financeiros diferentes para fazer seus movimentos no futuro. Meg Whitman também disse algo nessas linhas:

"Estamos entusiasmados com este movimento, e acreditamos que estaremos mais ágeis, mais focados em nossas necessidades e nos possibilitará agir com mais rapidez", destacou a CEO.

A divisão ainda deve levar mais um ano até ser concluída. Com o processo, a companhia deve ser repartida em HP Inc, que compreenderá a divisão de PC e impressoras, e Hewlett Packard Enterprise, que focará em clientes corporativos.

Com a divisão, a empresa pretende colocar diferentes rivais em diferentes campos. Com a HP Enterprise, a empresa bate de frente com marcas como IBM, Oracle e Microsoft. Já a outra terá que se preocupar com Apple, Dell e Lenovo.

A divisão veio no rastro do plano de cinco anos previsto por Meg, para uma retomada de crescimento da companhia em meio a seguidas perdas em lucro e faturamento. Em junho deste ano, uma luz no túnel foi apontada pela empresa, quando estancou suas perdas pela primeira vez desde 2011.