RESULTADOS

CI&T quer dobrar de novo

27/03/2014 11:26

A CI&T encerrou 2013 com receita de R$ 200 milhões, alta de 11% referente ao mesmo período do ano passado.

César Gon. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A CI&T encerrou 2013 com receita de R$ 200 milhões, uma alta de 11% frente aos resultados do ano anterior.

Mesmo que menos agressivo que em anos anteriores, nos quais a média de crescimento girava ao redor de 30%, o resultado está dentro do planejamento. 

Em nota, a empresa especializada no desenvolvimento e manutenção de sistemas destaca que a cifra está dentro da meta estabelecida em 2010 de dobrar de tamanho em três anos.

A nova meta é dobrar outra vez em três anos.

César Gon, fundador e CEO da CI&T, atribui o sucesso na meta de duplicar o faturamento à definição de estratégias específicas para  Brasil, Estados Unidos e Japão, os principais mercados nos quais a empresa atua.

No ano passado, 30% das receitas geradas em 2013 foram provenientes de mercados internacionais, nos quais a CI&T atua há uma década.

“Tenho uma visão pragmática: as empresas que não forem competitivas internacionalmente irão desaparecer ou ficarão enjauladas em nichos. No longo prazo, ou você se torna globalmente competitivo ou estará fora do mercado", ressalta Gon.

Fundada em 1995, tem sede em Campinas, a CI&T tem operações em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Estados Unidos, Europa, China e Japão. 

A lista de clientes inclui Alpargatas, Grupo Pão de Açúcar, GVT, Honda, Johnson & Johnson e Makro, entre outros.

Veja também

Dança das cadeiras na Ci&T

A Ci&T acaba de promover um mexe-mexe geral em sua diretoria, como parte de seu processo de internacionalização.

Bruno Guiçardi, co-fundador e ex-diretor de Operações da companhia, vai para os EUA, reforçar a liderança naquele mercado.

Já  Aminadab Nunes parte do cargo de CTO para a diretoria da área de Global Delivery.

ÉPOCA NEGÓCIOS
Ci&T entre as mais inovadoras

Ranking da A.T. Kearney, mostra as 20 companhias mais inovadoras. A Ci&T é citada como a pequena que mais inovou neste ano.

MERCADO
Neteye busca internacionalização

Empresa leopoldense aposta nas empresas usuárias de sistemas de CAD para se promover.

EXCLUSIVO
Softex tem comitê de internacionalização

Comitê gestor é composto pela paranaense CINQ Technologies, as paulistas Totvs, P3D, Visent, I4PRO, Concert e a carioca Módulo.

APROVADO PELO MEC
ESPM tem primeiro doutorado em Gestão Internacional

O Ministério da Educação (MEC), por meio da Capes, aprovou a criação do primeiro doutorado em Gestão Internacional do Brasil que será ministrado na ESPM.

"Estamos radiantes por recebermos o reconhecimento de um árduo trabalho de equipe, que foi coroado com esta aprovação na primeira submissão, sem contingências", conta Marcos Amatucci, pró-reitor de pesquisa e pós-graduação da ESPM.