A CPFL é dona de 65% da Companhia Energética Rio das Antas (Ceran). Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A CPFL Energia, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e a Fundação Casimiro Montenegro Filho (FCMF), desenvolveram um robô submarino para a inspeção de túneis de abastecimento de usinas hidrelétricas com investimento de R$ 4,5 milhões.

Segundo a companhia, o objetivo é proporcionar mais segurança às operações de verificação da integridade estrutural de locais inacessíveis e, com isso, garantir o funcionamento adequado das usinas.

O projeto faz parte do programa de P&D da ANEEL, iniciado em 2018, e o primeiro protótipo do robô está em fase de testes no Complexo Ceran, localizado na região Nordeste do Rio Grande do Sul, operando de forma cabeada. Enquanto isso, o segundo já está em fase de construção, com a possibilidade de operar de forma autônoma.

Por meio de um plano de funcionamento, o dispositivo percorrerá um túnel com aproximadamente 7 km, totalmente submerso, em inspeções periódicas. 

Nesta atividade, o robô mapeia em 3D as paredes internas do túnel por meio de dados obtidos por um sonar, verifica a integridade da estrutura e identifica possíveis obstruções da passagem da água, que podem prejudicar a eficiência do sistema da usina.

“O robô é uma solução de baixo custo e alta segurança, e garante o funcionamento pleno do sistema submerso de túneis de adução de usinas hidrelétricas, que, por causa das características do seu ambiente operacional, impossibilitam a ação de mergulhadores”, explica Rafael Moya, gerente de inovação e transformação da CPFL Energia.

Além da inspeção de túneis, a solução está sendo testada em outras aplicações dentro do complexo das usinas, como na inspeção de grades e mecanismos que compõem o sistema. De acordo com a CPFL, os resultados são promissores.

Criada há 108 anos, CPFL Energia é um dos maiores grupos privados do setor elétrico brasileiro e atua nos segmentos de distribuição, geração, transmissão, comercialização e serviços. Em geração, é a terceira maior agente privada do país, com capacidade instalada de 4.305 MW.

No mercado de distribuição, a companhia totaliza mais de 10 milhões de clientes em 687 cidades, entre os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Na comercialização, tem uma participação de mercado de 4%.

Desde 2017, o Grupo faz parte da State Grid, estatal chinesa que é a terceira maior organização empresarial do mundo e a maior empresa de energia elétrica, atendendo 88% do território chinês e com operações na Itália, Austrália, Portugal, Filipinas e Hong Kong.

A CPFL é dona de 65% da Companhia Energética Rio das Antas (Ceran), que também tem como investidores a Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-GT), com 30%, e a Statkraft Energias Renováveis S.A., com 5%.

A Ceran é responsável pela construção e operação do Complexo Energético Rio das Antas, situado entre os munícipios de Antônio Prado, Bento Gonçalves, Cotiporã, Flores da Cunha, Nova Pádua, Nova Roma do Sul e Veranópolis.