LÍQUIDOS

Vazamento da Vivo foi um pingo

27/05/2021 06:00

Operadora revelou que dados de 224 clientes vazaram em 2019 e não 24 milhões.

Uma gotinha de água, num oceano de clientes. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

O grande vazamento de dados da Vivo de 2019 foi na verdade algumas gotinhas: 224 clientes.

Em seu relatório anual referente a 2020, a operadora mencionou o assunto de passagem, revelando ter confirmado que 224 clientes tiveram seus dados acessados por terceiros em dois eventos diferentes de vulnerabilidade das bases de dados.

Desses clientes, os dados de 102 foram de fato expostos digitalmente.

Para quem não lembra, no final de 2019 a Vivo confirmou uma denúncia do grupo WhiteHat Brasil de que uma falha no portal de serviços Meu Vivo expunha os dados de 24 milhões de clientes, uma quantia significativa se temos em conta que a Vivo opera 78,5 milhões de linhas de celular.

No relatório, a Vivo afirma que fez uma análise minuciosa do problema em razão de dois processos administrativos abertos pela Anatel.

O assunto acabou na Justiça, com 32 processos judiciais relacionados ao tema, sendo seis deles com queixa comprovada de divulgação de dados e disponibilização de fatura de terceiros. 

Até agora, a Vivo pagou um valor total de R$ 38,3 mil em indenizações judiciais, o que é trocadinho para uma empresa que lucrou R$ 4,77 bilhões em 2020.

Se as punições previstas na LGPD já estivessem ativas, o que deve acontecer só em agosto, a conta poderia ter ficado um pouco mais salgada para a operadora, com a multa batendo no teto dos R$ 50 milhões.

Veja também

CORRUPÇÃO
Servidor da Caixa é acusado de vender dados de clientes

A Polícia Federal realizou mandados de busca e apreensão do caso em Porto Alegre.

APOSTA
Tivit compra paranaense DevApi

Startup de iPaaS e gestão de APIs tem 10 funcionários e foi fundada no ano passado.

CÓDIGOS
Low Code e No Code trazem desafios de segurança

Plataformas que facilitam o desenvolvimento de software estão em alta. Quais são as consequências?

CRIPTOGRAFIA
Ministério da Defesa: segurança com Kryptus

Empresa vai atuar no projeto da nova Rede Operacional de Defesa do Brasil.

CARREIRA
Cavina é head de Cibersegurança da Minsait no Brasil

Executivo é experiente na área de segurança, com passagem por IBM, PwC e Stefanini.

ENERGIA
Copel confirma ter sofrido ataque cibernético

Autoria foi assumida por grupo conhecido como Darkside, que opera um sistema de “ransomware como serviço”.

ENTÃO TÁ
Dataprev: está tudo certo, mas o responsável foi demitido

No mesmo dia em que divulga que não houve invasão, estatal demite o responsável pela segurança.