GRITO

Profissional de tecnologia quer ir embora do Brasil

27/06/2019 05:32

De acordo com estudo, 87% dos “experts digitais” querem fazer carreira no exterior.

Brasileiro: "Eu não aguento mais". Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Tamanho da fonte: -A+A

O Brasil está entre os países no mundo onde mais profissionais de tecnologia desejam fazer carreira no país, com 87% do total.

O resultado é de um estudo de profissionais chamados “experts digitais” realizado pelo Boston Consulting Group (BCG) e pela The Network em 180 países.

O público estudado pelas consultorias é de profissionais sênior em áreas como programação e desenvolvimento web, desenvolvimento de aplicativos, inteligência artificial, robótica. Dos pesquisados, 80% tem formação superior e 38%, alguma pós-graduação.

Em geral, esse tipo de profissional tem em seus planos sair pelo menos por um período do seu país: das 27 mil pessoas pesquisadas, 67% disseram que gostariam de fazê-lo.

Dentro desse universo, no entanto, existem discrepâncias. Com seus 87% de potenciais imigrantes, o Brasil fica na parte alta do grupo de países com disposição acima de 70% para emigrar, que inclui outros países em desenvolvimento como Argélia, Equador, Irã, Índia e Peru.

O grupo dos muitos dispostos a emigrar tem algumas exceções a essa regra, como Canadá, Reino Unido e Cingapura, onde a predisposição poderia ser explicada pela grande quantidades de estrangeiros já existentes no mercado, talvez mais propensos a migrar mais uma vez.

A lista dos "bairristas", países dos quais pelo menos 45% dos entrevistados não querem emigrar, é encabeçada pela China, com 75% de profissionais que querem ficar no próprio país. Também estão nesse grupo Croácia, Hungria, Indonésia, Israel e Eslováquia.

Os Estados Unidos, citados por 63%, aparecem como destino de preferência do brasileiro, seguidos de Canadá (51%), Portugal (37%), Alemanha (34%) e Austrália (37%).  

Outro problema para o Brasil é que há poucos profissionais dispostos a vir para o país, que  ocupa a 23ª posição no ranking geral de atratividade. 

Os estrangeiros que mais têm vontade de trabalhar no mercado digital brasileiro são de Angola (35%), Peru (34%), Argentina (29%), Costa Rica (22%) e Nicarágua (17%).

HORA DE PARTIDA?

Os números da pesquisa estão de acordo com o que outros levantamentos já mostraram em relação ao Brasil. 

Em julho do ano passado, o Datafolha divulgou que Quase a metade (43%) dos adultos brasileiros sairia do país se tivesse condições, uma cifra que aumenta nas camadas mais jovens, melhor educadas e com mais renda da população.

O número total é 70 milhões, o equivalente a população de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.

Por faixas etárias, o desejo é mais forte quando mais jovem é o pesquisado. Assim, o interesse por emigrar chega a 62% entre pessoas entre 16 a 24 anos, que cresceram em meio a crise econômica e política. É o maior índice entre todas as faixas pesquisadas.

Para pessoas entre 25 a 34, no começo da vida profissional, a cifra é 50%. Na faixa seguinte, entre 35 e 44, ela cai um pouco, para 44%, chegando a 32% entre 45 a 59 e 24% na de 60 anos ou mais.

Quando o corte é por nível educacional, a resposta é positiva para 56% dos pesquisados com nível superior, 48% para nível médio e 27% para nível fundamental. Já por classes sociais é 51% para AB, 44% para C e 30% para DE. 

NA PRÁTICA

É preciso ser cauteloso na interpretação dos resultados. Apesar de milhões manifestarem interesse em sair do país, o Brasil não está em meio a um êxodo de proporções bíblicas.

Dados oficiais da Receita Federal mostram que 91 mil pessoas entregaram declaração de saída definitiva do país desde 2014. 

O número de vistos para imigrantes para os EUA foi de 3,366 em 2017, o dobro de 2008, mas um cifra na casa dos milhares. 

A cidadania portuguesa, um caminho mais acessível para imigração, teve 50 mil concessões só no consulado de São Paulo desde 2016, mas o número não significa necessariamente que o beneficiado tenha se mudado.

Em outubro de 2017, o Estado de São Paulo revelou que os primeiros sete meses de 2017 haviam sido emitidos 185 dos chamados Golden Visas para brasileiros em Portugal.

É a metade do total que havia sido emitido desde a criação do visto, em 2012. o Golden Visa exige investimento em empresas ou compra de imóveis.

Em qualquer caso, o grande número de interessados em emigrar, principalmente entre as camadas da população com mais condições reais de fazer isso pode ser lido como um raio-x do estado de espírito pouco otimista do brasileiro.

Veja também

FUGA
Brasil: 388 foram para os EUA com EB-5

Visto dá green card em troca de um investimento de US$ 500 mil.

PERGUNTE-ME COMO
Quer levar sua startup para o Canadá?

O encontro vai abordar as condições oferecidas pelo Canadá aos empreendedores.

CARROS
GM diz ao povo que fica. Por quanto tempo?

Montadora recebeu incentivos de São Paulo. Pode não ser o suficiente no longo prazo.

NEGÓCIOS
Canadá mais próximo do Sul

Porto Alegre agora conta com um capítulo local da Câmara de Comércio Brasil Canadá.

 

INVESTIMENTO
IBM abre centro no Canadá

Para quem está de olho em imigração, o projeto da IBM deve gerar 2,6 mil empregos até 2020.

CARREIRA
VanHack une brasileiros e empresas do Canadá

Na primeira edição, o VanHackathon reuniu 20 empresas, entre elas Hootsuite e Shopify.

EXPRESS ENTRY
Canadá: 10% dos candidatos imigram

Mais de 112 mil pessoas se inscreveram para viver no Canadá a partir do Express Entry.

MILHAGEM
VTEX: desafio dá viagem pelo mundo

Empresa quer atrair profissionais com uma turnê por sete cidades em 30 dias.

INTERNACIONAL
Câmara Brasil-Alemanha seleciona startups

O programa conta desafios propostos por empresas como Volkswagen, Bayer e Siemens.

VALE
Pipefy leva trainee para São Francisco

Um toque internacional está virando regra nos melhores programas do tipo.

OPORTUNIDADE
Landing.jobs quer brasileiros em Portugal

Campanha pretende auxiliar 30 profissionais a encontrarem uma oportunidade de trabalho no país.

ORA POIS
Dinamize abre filial em Lisboa

Companhia de automação de marketing gaúcha quer mais presença na Europa.

VIAGEM
São Paulo terá 490 novos voos semanais

A novidade também inclui "stopover" de até três dias.