ENERGIA

Solfácil recebe aporte de R$ 21 milhões

27/07/2020 11:01

Valor Capital Group e investidores anjo apostaram na startup que financia painéis solares residenciais.

Fabio Carrara, CEO da Solfácil. Foto: Paulo Vitale/Kromo.

Tamanho da fonte: -A+A

A Solfácil, fintech especializada no financiamento de painéis solares residenciais, recebeu um investimento de R$ 21 milhões em rodada série A liderada pelo Valor Capital Group, que já investiu em unicórnios como Stone, Gympass e Loft.

O aporte também contou com investidores anjo que apoiam a empresa desde o início, em 2018. 

Fundada por Fabio Carrara, ex-consultor da BCG que atua há mais de cinco anos no setor de geração solar distribuída, a startup criou uma linha de financiamento específica para aquisição do sistema sem necessidade de investimento inicial, com prazos de financiamento de até 120 meses.

"A aquisição do sistema solar permite que o cliente passe a produzir imediatamente toda a energia que precisa. Além de gerar economia, a escolha também beneficia o meio ambiente", conta Fabio Carrara, CEO da Solfácil.

De acordo com o site Brazil Journal, a startup cobra uma taxa média de 1,2% ao mês, em linha com o praticado pelos bancos. Até agora, a empresa já financiou mais de mil clientes e tem uma carteira de crédito de R$ 50 milhões.

Com presença nacional, a Solfácil oferece um financiamento 100% digital, avalia e trabalha com empresas integradoras, valida o projeto e verifica a instalação, além de ter a capacidade de monitorar a performance do sistema por meio de um IoT proprietário.

No início de 2020, a fintech realizou sua primeira emissão pública de debêntures no valor de R$ 120 milhões. Desde então, alguns dos principais fundos de crédito do Brasil, com ativos sob gestão superior a R$ 20 bilhões, têm comprado suas debêntures. 

Assim, a Solfácil ganha dinheiro de três formas: recebe um fee de originação pago pelos clientes, um fee pela gestão da carteira, pago pelos debenturistas ou pelo FIDC, e a rentabilidade das cotas subordinadas.

A empresa ainda não teve nenhum default, não tem nenhum atraso acima de 90 dias e os atrasos acima de 60 dias representam menos de 1% da carteira.

Com os recursos do novo aporte, a startup pretende investir em tecnologia, expansão comercial e novos produtos financeiros, com o objetivo de acelerar o crescimento da fintech. 

Serão lançadas duas novas linhas de crédito: uma para pessoa jurídica e outra para antecipar os recebíveis das companhias que fazem o projeto e a instalação dos painéis. Com elas, a expectativa é chegar a uma carteira de crédito de R$ 350 milhões daqui a um ano.

"Estamos animados em apoiar a Solfácil e o seu crescimento sustentável no Brasil, um dos mercados mais atrativos do mundo para energia solar e fintechs. Dada a experiência do time no setor e a resiliência do seu modelo de negócios, é uma oportunidade para reduzir o custo de energia para consumidores e empresas", afirma Scott Sobel, sócio-fundador da Valor Capital Group.

Segundo dados da PV Magazine, somente 0,3% das unidades consumidoras no Brasil possuem energia solar, enquanto em países como a Austrália a adoção residencial é superior a 20% e, nos Estados Unidos, 3%.

Somente em 2019, o setor de geração distribuída movimentou mais de R$ 6 bilhões em aquisições de sistemas solares no país, de acordo com dados da Aneel e preços médios do mercado.

Isso representa um crescimento de 236% no número de instalações em comparação com 2018. No primeiro semestre de 2020, o crescimento foi de 90%.

Fundado em 2011, o Valor Capital Group é focado em oportunidades entre Brasil e Estados Unidos, com escritórios em Nova York, Vale do Silício e São Paulo.

Veja também

ENERGIA
Intelbras: usina fotovoltaica no teto da fábrica

Os 8.238 m² de cobertura de filtros e painéis solares devem gerar 1739 MWh neste ano. 

ENERGIA
Claro inaugura quatro novas usinas solares

Até 2021, o programa deve gerar 80% da energia consumida pela empresa.

CENÁRIO
Crise desafia as cleantechs

Ao todo, Brasil já tem 130 empresas focadas nas chamadas “tecnologias limpas”.

CONSUMO
Oi inaugura fazenda de energia solar

Redução de custos com programa de eficiência pode chegar a R$ 400 milhões por ano.

ENERGIA
Eternit testa telhas fotovoltaicas na UFSC

Feito de concreto, produto é o primeiro da categoria aprovado pelo Inmetro.

SUSTENTABILIDADE
Parque tecnológico de Pelotas terá energia solar

O investimento total na geração será de cerca de R$ 425 mil.

PAPÉIS
Clamper gere documentos com SoftExpert

O sistema foi implementado pela TNX Brasil.

ENERGIA
CPFL investe em fazenda solar para Algar Telecom

Empresa investiu R$ 21,7 milhões na implantação da sua primeira fazenda solar.

SANTA CATARINA
Udesc terá sistema de energia solar

A Quantum Engenharia será a responsável pela obra.

SUSTENTABILIDADE
PareBem do Afonso Pena adota energia solar

A empresa investiu em torno de R$ 1,4 milhão em cerca de 1.200 placas solares.