Claro e Bradesco lançam serviço de pagamento. Foto: divulgação.

O Bradesco e a Claro anunciaram nesta terça-feira, 28, a chegada ao mercado do Meu Dinheiro Claro, um serviço de conta de pagamento pré-paga usando o celular como identificação.

A novidade segue os moldes do Zuum, produto lançado pela Mobile Financial Service (MFS), joint venture formada pela Telefonica International e pela MasterCard. Pelo serviço, o cliente pode ter uma conta que permite a realização de movimentações financeiras como compras em estabelecimentos comerciais, transferências entre clientes, saques e recargas diretamente pelo celular.

O cliente pode fazer cargas de valores e operações do Meu Dinheiro Claro nas cerca de 47 mil unidades do Bradesco Expresso, correspondentes no país, que funcionam em estabelecimentos comerciais em todo o Brasil, nos 35 mil terminais de autoatendimento Bradesco Dia & Noite no país e nos 14 mil terminais da rede Banco24horas.

A adesão ao produto é gratuita e o uso da tecnologia não consome os créditos ou franquia de dados da linha de celular.

O produto foi concebido em conformidade com as novas regras de meios de pagamento anunciadas pelo Conselho Monetário Nacional em 2013, que permitem a adesão por meio de cadastro simplificado, sem a necessidade de documentação, ou conta corrente.

Segundo a Claro e Bradesco, estas novas diretrizes viabilizam a inclusão de mais de 55 milhões de brasileiros ao sistema financeiro.

Antes do lançamento nacional, a iniciativa esteve em testes desde outubro de 2013, nas cidades de Belford Roxo, São João do Meriti e Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, e Goiânia, em Goiás, com resultados positivos, segundo afirma o diretor do Bradesco, Marcio Parizotto.

"O piloto foi fundamental para avaliação de aspectos funcionais e mercadológicos do produto, em produção. Estamos bastante satisfeitos com os números preliminares e por esse motivo decidimos antecipar o rollout nacional", destaca.

Com a solução, o pagamento de compras pode ser feito em estabelecimentos atendidos pela Cielo. O processo utiliza a tecnologia USSD, presente em qualquer modelo de aparelho.

As empresas garantem que a tecnologia não usa créditos ou a franquia de dados da linha do celular. A operadora de telefonia vai cobrar R$ 5 para cada saque realizado e R$ 1,5 por transferência.