MOMENTO

Visão de médio prazo: mais cautela, mais empregos

28/04/2020 10:08

A crise provocada pelo coronavírus exige calma para não colocar a empregabilidade em risco nem gerar um colapso econômico e social.

Marco Stefanini, fundador e CEO global da Stefanini. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Minha avaliação é que o mercado corporativo brasileiro poderia ter um pouco mais de cautela perante a crise gerada pela pandemia do coronavírus.

Diferente de outros países, que têm tentando preservar os empregos e o pagamento dos fornecedores, temos observado no Brasil uma impetuosidade das empresas em reduzir parte dos serviços contratados ou postergar os pagamentos.

Entendemos que a situação é crítica no mundo inteiro, que o vírus chegou como um tsunami em vários países, e que a interrupção de vários serviços neste momento impacta a economia em diferentes proporções.

Independente das dificuldades impostas pela pandemia, reforço que este não é o momento de enfraquecer a empregabilidade.

Na prática, as grandes empresas têm duas formas de demitir: os próprios funcionários, que é um processo mais desgastante e caro, ou reduzindo os fornecedores, que acabam sendo obrigados a demitir em massa.

É a chamada demissão indireta, já que as empresas de serviços têm um fôlego financeiro muito menor que as grandes corporações.

Outro ponto que precisa ser observado é que as grandes empresas têm patrimônio e conseguem mais facilmente controlar o capital de giro e buscar empréstimos, se necessário.

No caso das menores, o custo maior está na folha de pagamentos. Portanto, na cadeia produtiva, são as mais frágeis. Se há quebra de contrato em meio à crise, ou se os pagamentos são adiados, cria-se uma instabilidade financeira propícia à ampliação das demissões, seguindo um efeito dominó sem precedentes.

Por isso, o momento exige calma, resiliência e criatividade para atravessar a crise. Mantendo nossos quadros, ajudaremos a evitar ou minimizar um possível colapso econômico e social.

Felizmente, as soluções digitais, que tiveram um impulso ainda maior durante a pandemia, permitem que as pessoas trabalhem de casa com segurança, mantendo a produtividade e quebrando paradigmas sobre o home office.

Além de manter os nossos colaboradores, temos a responsabilidade com a sociedade em geral. Daí a importância de segurar os empregos até termos uma visibilidade maior da crise.

E quando digo isso, me refiro também a colaborar com a empregabilidade de nossos parceiros, mantendo os compromissos assumidos previamente.

Sabemos que existe uma preocupação generalizada com o efeito da pandemia nos negócios, mas já vivemos tantos períodos conturbados na economia brasileira, que este será mais um.

A crise é abrupta, forte, porém rápida. Em três meses tudo isso passará e, mais do que nunca, precisaremos das pessoas para retomar as atividades e garantir que a economia gire.

Acredito que é hora de repensar qualquer ação de certa maneira imediatista. Atuando em 41 países, percebo que na maioria deles existe uma preocupação das grandes empresas em manter os contratos com os prestadores de serviços.

Na Europa e Estados Unidos, que têm vivenciado fortemente o impacto do Covid-19, o fluxo de caixa da nossa empresa em março se manteve quase que o mesmo em relação aos meses anteriores.

As lideranças sabem que o emprego pode ajudar a reerguer os países após o coronavírus, e que também os provedores são importantes para quando a crise passar.

Em compensação, no Brasil, é bem maior o número de empresas pedindo a suspensão de contratos por um determinado prazo ou o corte de parte dos serviços.

Ao agir no ímpeto, pode-se colocar em risco a economia como um todo e o market share da própria empresa na retomada da economia.

O grande aprendizado, neste momento, é procurar respeitar a cadeia produtiva para que possamos encarar o que vem por aí, retomar as atividades o mais rapidamente possível para que 2020 não seja mais um ano perdido.

*Por Marco Stefanini, fundador e CEO global da Stefanini.

Veja também

SÃO PAULO
Empresas vão testar funcionários para retomada

De acordo com o Uol, pelo menos 25 companhias já contrataram testes de imunidade ao coronavírus.

CONEXÃO
Estácio incentiva aulas com internet da TIM

Os mais de 570 mil alunos terão acesso a oferta de 4.5G por três meses durante o distanciamento social.

OMNICHANNEL
Via Varejo já está vendendo 70% do que vendia

Resultado está sendo obtido mesmo com 80% das lojas fechadas. Segredo é o CRM.

COVID-19
IBM rastreia funcionários na Índia

Empresa está testando um aplicativo de adesão voluntária que deve coletar dados por 16 dias.

CRISE
Empresários criam fundo de empréstimo para PMEs

Estímulo 2020 já conta com pelo menos 17 comprometidos a colaborar com R$ 20 milhões.

TRANSFORMAÇÃO
A Indústria calçadista precisa de transformação digital

Agora o cenário de lojas fechadas traz uma reflexão para muita gente deste meio: por que não investi no meu omnichannel? 

SAÚDE
Hospital de Clínicas usa aplicativo da uMov.me

Com 2 mil licenças doadas, solução será usada para triagem de pacientes com suspeita de Covid-19.

NUVEM
Ministério da Saúde migra para AWS com Embratel

Projeto faz parte de mega licitação vencida pela empresa de telecom.

CARREIRA
Abstartups lança banco de talentos

Objetivo é conectar profissionais e empresas em meio às demissões da pandemia.

REAÇÃO
Arezzo vira case na crise com tecnologia

Companhia acelerou muito as vendas online dobrando o volume de vendas em dois meses.